“Checão” em branco

O prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) quer um cheque em branco de R$ 260 milhões. O valor corresponde a 20% do orçamento do ano que vem, ao qual teria poder de remanejar sem pedir aval do Legislativo. Poderia tirar dinheiro de uma secretaria e pôr na outra, tirar de uma despesa programada e gastar em outra coisa, tudo por decreto. A continuar a postura da maioria dos vereadores de Cascavel, o cheque já está assinado e endossado.

Ritmo lento

O ano ainda não acabou, mas o ritmo na Câmara de Vereadores já é de recesso administrativo, programado para começar dia 21 de dezembro. Ontem, na tribuna, a movimentação era mínima durante audiência pública sobre a LOA (Lei do Orçamento Anual). O vereador Jaime Vasatta teve que faltar devido a compromisso na Associação dos Vereadores. Depois de participar do encontro, o vereador Alécio Espínola (PSC) correu para Foz do Iguaçu para uma conversa com o governador eleito Ratinho Júnior (PSD), da qual prometeu novidades para Cascavel.

Adequações

Em breve entra em votação projeto na Câmara modificando a denominação de servidores lotados no Gabinete do prefeito. Ao todo, são 12 funções antes definidas apenas para assessores, mas que por recomendação do Tribunal de Contas deverão ser “esclarecidas”. Outras duas vagas na Companhia de Trânsito que também constavam como assessoria sofrerão mudanças. A mudança é meramente burocrática e não causará impacto financeiro.

Água

Os vereadores Paulo Porto (PCdoB) e Celso Dal Molin (PR) protocolam o projeto que estabelece a política pública para a conservação e a proteção dos recursos hídricos de Cascavel, que passa a ser analisado pelas comissões permanentes. A proposta prioriza inclusive o uso da água e as responsabilidades com os mananciais.

Hora Cívica

Parece que o momento da política nacional fez reviver o patriotismo em Cascavel. Na cidade, não é espontâneo o canto do Hino Nacional das escolas municipais: é uma obrigação prevista em lei que estabelece o ato cívico durante o hasteamento da bandeira. O vereador Pedro Sampaio (PSDB) deu uma vasculhada no balaio de leis municipais e encontrou essa de autoria dos ex-vereadores João Lima Pereira, Paulo Beal e Tiago de Amorin Novaes (in memorian). Sampaio requereu à Secretaria Municipal de Educação se as escolas conhecem a lei e se a cumprem: toda segunda-feira, civicamente.