Cidade do Leste – Depois de dois dias de filas provocadas pelos protestos de paraguaios contra a fiscalização acirrada na aduana no país vizinho, ontem o tráfego de veículos sobre a Ponte da Amizade foi um pouco menos tumultuado.

Comerciantes que vêm ao Brasil comprar frutas, legumes, verduras e carnes têm reclamado que têm perdido tudo com a fiscalização paraguaia.

Eles só não fecharam a ponte porque o efetivo do Exército paraguaio foi reforçado, mas provocaram bastante tumulto.

O governo paraguaio diz que pequenos transportadores não têm respeitado as regras de importação e descumprem medidas sanitárias que podem levar doenças aos cultivos locais. Já os comerciantes alegam que tudo não passa de medidas protecionistas para estimular o consumo interno.

Os produtos aprendidos são encaminhados para um depósito em Cidade do Leste que está lotado. Os hortifrutigranjeiros serão todos destruídos.

Somente nos últimos meses a direção nacional de aduanas aprendeu mais de 200 mil ovos, sete toneladas de tomado e mais de cinco toneladas de banana. O governo paraguaio promete manter fiscalização.