EUA x Holanda: o desafio final

Atual campeã da Europa, Holanda busca seu primeiro título Mundial

Lyon – A final da Copa do Mundo feminina será disputada por Estados Unidos e Holanda, às 12h (de Brasília) deste domingo, em uma partida com duas técnicas mulheres no comando das equipes: Sarina Wiegmann (Holanda) e Jill Ellis (EUA). Esta é a primeira vez que isso acontece em 16 anos.

Quatro vezes campeã olímpica, a seleção dos Estados Unidos terá a chance de conquistar o quarto título mundial.

Assim como os EUA, as holandesas também chegam com 100% de aproveitamento.

Já a disputa pelo terceiro lugar, entre Inglaterra e Suécia, será em Nice, no sábado, às 12h (Brasília), com as britânicas jogando para igualar sua melhor campanha (2015) e as suecas buscando o quarto pódio de sua história.

A Inglaterra de Phil Neville só tem uma baixa confirmada: expulsa na semifinal, a zagueira Bright deve ser substituída por Alex Greenwood.

A Suécia pode repetir o terceiro lugar das edições de 1991 e 2011. Para encarar as inglesas, Peter Gerhardsson não deve contar com a craque de sua equipe nesta Copa, Kosovare Asllani.

Fifa quer Copa com 32 seleções

 

Na véspera da decisão da Copa do Mundo, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, deu a declaração que muitos acham ser apenas politiqueira e oportunista. O mandatário da entidade que comanda o futebol mundial quer expandir o Mundial Feminino para 32 equipes já para a próxima copa, em 2023. “Se o fizermos, deve ser reaberto o processo de definição da sede para permitir que todos tenham uma chance ou talvez para candidaturas conjuntas. Nada é impossível”.

Além disso, Infantino quer dobrar a premiação em dinheiro do Mundial Feminino, também elevando o valor disponibilizado para preparação das equipes e o dinheiro repassado aos clubes que cedem jogadoras para as seleções.

 



Fale com a Redação

1 × cinco =