Curitiba – Servidores do Poder Judiciário conseguiram da Mesa Diretora da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) a garantia de que tramitarão na Casa os projetos de data-base nos mesmos termos em que foram encaminhados pelo presidente do TJ (Tribunal de Justiça), desembargador Xisto Pereira. A proposta prevê reposição salarial de 4,94% a ser paga de uma só vez e não de forma parcelada, como ocorrerá com os funcionários do Poder Executivo. O parcelamento do reajuste para as demais categorias do Estado chegou a ser cogitada por deputados.

Segundo a diretoria do Sindijus – sindicato que representa a categoria -, a palavra foi dada pelo primeiro-secretário da Assembleia, deputado Luiz Cláudio Romanelli.

Inicialmente, a Casa pretendia tornar válido para o funcionalismo de todos os Poderes o mesmo projeto proposto pelo governador Ratinho Junior e acordado com os servidores do Executivo, que prevê reajuste de 5,09% parcelado a partir de janeiro de 2020 até 2022.

Segundo o Sindijus, Romanelli afirmou que “já foi decidido pela mesa diretora da casa que não iremos apresentar mais substitutivo [que incluiria os demais poderes]. Já falei com presidente da Alep, o deputado Ademar Traiano, e até retiro o que falei na semana passada, pois não iremos tomar essa iniciativa. Iremos conduzir todos os projetos de reposição dos outros poderes como foram encaminhados à Assembleia”.