Matelândia – A crise hídrica que se prolonga no Paraná coloca em alerta os sistemas de abastecimento de Catanduvas, Matelândia e Santa Tereza do Oeste. Os mananciais superficiais e subterrâneos que abastecem essas cidades apresentam queda acentuada na vazão devido à falta de chuva, o que pode comprometer o fornecimento de água de forma regular para a população.

Os índices pluviométricos, que estão 50% abaixo da média histórica na região, afetam mananciais e, principalmente os poços que captam a água subterrânea. A recarga dessas unidades requer chuvas regulares.

O Rio Tormenta, em Catanduvas, e os seis poços que abastecem Matelândia e Santa Tereza do Oeste estão com redução de 50% na vazão. Já o Rio Gonçalves Dias, que complementa o abastecimento em Santa Tereza do Oeste, teve queda de 70% na vazão, o que levou a Sanepar a complementar o abastecimento em dias de maior consumo com caminhões-pipa. A gerente-geral da Sanepar no sudoeste, Rita Ivone Camana, afirma que a situação está bem crítica e requer empenho e colaboração de todos: “As vazões estão reduzidas e não há alternativas para ter mais água neste momento. Por isso, é fundamental que a água seja utilizada prioritariamente na alimentação e higiene pessoal”, alerta a gerente.

 

Previsão

As previsões do Simepar apontam chuvas com um pouco mais de intensidade somente para novembro e chuvas regulares apenas para o início do próximo ano. Essas previsões levaram o governo do Estado a prorrogar o decreto de emergência hídrica no Paraná até novembro.

Sem chuvas previstas, a Sanepar orienta a população a fazer uso racional e consciente da água, priorizando o consumo para alimentação e higiene pessoal.

Ao encontrar qualquer tipo de vazamento de água na rua, a população deve avisar imediatamente a Sanepar pelo telefone 0800 200-0115, que funciona 24 horas.

 

Cascavel perde 8% da capacidade de produzir água

Os poços 31 e 32, localizados na Colônia Barreiros, em Cascavel, pararam de produzir água devido à ação de vândalos na madrugada dessa sexta-feira (20). Todo o cabeamento das instalações elétricas da estação elevatória, que bombeia a água para a cidade, foi furtado e o local foi vandalizado, comprometendo o volume de água produzido na cidade. Essas duas unidades e os poços do Bairro Santa Cruz, que estão inoperantes pelo mesmo motivo, são responsáveis por 8% do volume de abastecimento dos moradores da cidade.

A reposição do material furtado e a recuperação dos equipamentos e instalações estão em processo de contratação.

A Sanepar alerta que, neste momento, é importante manter o uso racional da água. É preciso economizar água, priorizando o uso na alimentação e higiene pessoal para afastar riscos de falta de água e de um novo rodízio no abastecimento.