Toledo – A Câmara de Toledo aprecia em sua próxima sessão ordinária, no dia 24 de setembro, às 14h, a CPI criada para apurar denúncias em torno da obra do Hospital Regional. A Comissão Parlamentar de Inquérito atua desde 30 de maio e seu prazo está chegando ao fim, mas ainda faltam depoimentos e documentos a serem analisados.

A CPI ouviu os auditores que em seu relatório deram base à sua convocação, além dos engenheiros da empreiteira e arquiteto que atuou no projeto, mas não ouviu ainda depoimentos considerados importantes, como um já aprovado para oitiva do engenheiro José Carlos Cavalari e ainda o depoimento do fiscal da obra, José Carlos de Jesus, entre outros.

A CPI foi solicitada pelo Requerimento 81/2018, que requer “instituição de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias apresentadas pela Auditoria instalada pela Portaria 529, de 2017, para verificar a execução do contrato e aditivos da construção do Hospital Regional de Toledo”.

O documento foi apresentado na sessão da Câmara de Toledo no dia 30 de abril, sendo subscrito por 16 vereadores, motivando a assinatura pelo presidente da Câmara, Renato Reimann, da Portaria 53, de 8 de maio, que designou os cinco integrantes indicados pelas seis bancadas e estabeleceu o prazo de 120 dias para seus trabalhos a partir da instalação.

A CPI da obra do Hospital Regional iniciou então seus trabalhos no dia 30 de maio, quando escolheu em votação os nomes de Walmor Lodi como presidente e de Gabriel Baierle como vice-presidente. Logo após eleito o presidente Walmor Lodi designou a vereadora Janice Salvador como relatora. A CPI é composta ainda pelos membros Antonio Zóio e Ademar Dorfschmidt.

Ao longo dos trabalhos feitos até agora a CPI, além de solicitar diversos documentos, ouviu vários depoimentos.

Auditoria e denúncias

A CPI também ouviu os membros da auditoria da obra, João Francisco Tonsic, Márcio André Wathier, Vagner Fernandes Quinquiolo e Leandro Marcelo Ludvig, autores do relatório que indicou cerca de R$ 1,6 milhão em materiais pagos e não instalados e outras diversas irregularidades. “Conforme veiculado pela imprensa local e regional, a auditoria encontrou irregularidades na ordem de R$ 1.632.642,91. Desse montante, R$ 1.103.130,78 se refere às instalações elétricas e R$ 529.512,13 aos demais serviços estruturais”, aponta o documento que deu origem à CPI.

O engenheiro Quinquiolo disse que foram feitos 18 aditivos ao contrato, entre 2012 e 2016, e confirmou aos vereadores o termo de recebimento da obra em 21 de junho de 2016.

Já o auditor Leandro Marcelo Ludvig disse que analisou a parte documental da obra e acompanhou a parte financeira e os pagamentos, não tendo ido ao canteiro de obras.

Outros depoimentos

Na sua 13ª e última reunião, no dia 5 de setembro, a CPI aprovou requerimentos para convocação do engenheiro elétrico José Carlos Cavalari, do engenheiro Mauro Nestor Huppes, de Tiago Augusto Jordão Pigozzo e do eletrotécnico Wolnei Olivo, “para prestar esclarecimentos pertinentes aos fatos investigados por esta CPI”, além de novas solicitações de documentos.