Covid-19: Voluntários que levam comida e banho aos paraguaios parados na Ponte da Amizade serão testados

Iniciativa é de jornalistas de Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional e Hospital Ministro Costa Cavalcanti. Testes serão nesta quarta-feira (6).

Um grupo de aproximadamente 30 pessoas que ficam na linha de frente do trabalho voluntário da entidade de ajuda humanitária Anjos da Madrugada, especialmente os que levam comida e banho para os paraguaios parados na Ponte da Amizade, na fronteira do Brasil com o Paraguai, vão passar por testes do novo coronavírus.

Quando usar máscara de pano

A ação é uma iniciativa de jornalistas de Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional e Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC). A aplicação dos testes PCR-Real Time deve ser feita nesta quarta-feira (6) no Laboratório de Saúde Única do Centro de Medicina Tropical, do HMCC. A expectativa é que os resultados saiam até o final da semana.

Essas pessoas tiveram contato diretamente ou indiretamente com paraguaios parados na aduana, em função do fechamento das fronteiras, e testados positivamente com o novo coronavírus. Há mais de um mês os voluntários se revezam para levar a única refeição que os paraguaios recebem no local. O grupo também cuida da higiene do pessoal que aguarda a liberação para poder seguir viagem para o país vizinho. A maioria veio do Brasil, principalmente de São Paulo.

O presidente da Anjos da Madrugada, Johnson Mateus dos Santos, elogia a iniciativa. “Temos que cuidar da nossa saúde porque esse trabalho não pode parar. É importante para nos resguardar e proteger pessoas com quem temos contato.”

A Itaipu, por meio do HMCC, colocou à disposição da Prefeitura de Foz do Iguaçu 440 testes de covid-19. Eles estão sendo utilizados em cinco unidades básicas de saúde, desde segunda-feira (4). A análise dos testes também é feita no Laboratório de Saúde Única do Centro de Medicina Tropical do HMCC, que é habilitado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen).

Segundo o coordenador do Grupo Estratégico de Covid-19 da Itaipu, coronel Jorge Aureo, “essas medidas são importantes para dar um panorama real da pandemia e partir para uma segunda onda de ações concretas de retomada de crescimento da cidade”. E acrescenta: “incluir os voluntários nessa testagem é uma prudência. Queremos garantir que esse trabalho não pare, mas de forma prudente”.

A ajuda de Itaipu

Além dessa iniciativa pontual, a empresa liberou R$ 15 milhões para a reestruturação do HMCC, que é mantido pela Itaipu, para a compra de equipamentos e insumos.

Outras unidades hospitalares da 9º Regional de Saúde do Estado do Paraná também são receberam equipamentos de proteção individual (EPIs), álcool em gel 70%, materiais, medicamentos e camas, entre outros.

Só para o Hospital Municipal Germano Lauck, em Foz do Iguaçu, cidade-sede da usina, a empresa vai encaminhar 15 aparelhos de ventilação mecânica, monitores e camas, além da estruturação de um leito de tratamento avançado no Hospital e Maternidade Nossa Senhora da Luz, em Medianeira, e mais um respirador mecânico para o Samu de Foz do Iguaçu.

A Itaipu também mais que dobrou o valor do Fundo de Auxílio Eventual, hoje chega a R$ 2,7 milhões. O público-alvo são entidades de ajuda humanitária. Itaipu controla a prestação de contas a partir da execução de um plano de trabalho, com uma série de critérios que são auditados internamente. Até o momento, 14 instituições fizeram contato para tirar dúvidas e começar o processo. Foram beneficiadas pelo auxílio a entidade Anjos da Madrugada e o Lar dos Velhinhos de Foz do Iguaçu. Outras 14 aguardam liberação de documentação.

 

 

 

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

6 − 1 =