Linha histórica

A menos de um ano da eleição, a inflação da 3ª quadrissemana de novembro/21 é a maior dos últimos quinze anos. A linha histórica, conforme o atual informativo da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, mostra que o índice do governo de Jair Bolsonaro (0,96%) supera o registrado em 2015, no mesmo período, durante o governo Dilma Rousseff (0,94%). Foi o desarranjo na economia que turbinou o processo de impeachment da petista. Em 2016, já no governo Temer, no período de análise, o índice caiu para 0,24%, subiu para 0,32% em 2017 e em 2018, despencou para 0,05%.

 

Ascendente

A trajetória da inflação permanece ascendente. Comparada com a última semana, houve aceleração dos grupos: Transportes (de 2,55% para 2,98%), destaque para

gasolina (de 7,28%, ante 6,14%); e Educação, leitura e recreação (de -0,19% para

0,57%), destaque para passagem aérea (de -1,87% para 2,88%).

 

Cenário

Apesar dos índices crescentes, Bolsonaro e seu time econômico assistem inertes a inflação sob descontrole e se eximem de qualquer responsabilidade. Sem anúncio de medidas para conter os preços, Bolsonaro e Guedes jogam a culpa no cenário econômico mundial. “O mundo todo está sofrendo com a economia neste, espero, pós-pandemia”, tem repetido Bolsonaro.

 

Deltan vem aí

Ex-procurador chefe da Operação Lava Jato no MPF, Deltan Dalagnol vai estrear na política após fazer mistério com seu desligamento da categoria. É ele uma das estrelas nacionais a se filiar no Podemos de Sergio Moro, enquanto o ex-juiz faz mistério com Alvaro Dias.

 

Mineração

Entidades ambientalistas foram excluídas do debate e denunciam que as alterações em discussão, na Câmara, do Código de Mineração (Decreto-Lei 227/67) atendem a interesses do setor mineral (grandes, médias e pequenas mineradoras ou garimpeiros). Por pressão das entidades e da oposição, a votação do parecer do Grupo de Trabalho – sob relatoria da deputada Greyce Elias (Avante-MG) -, prevista para esta semana, foi adiada.

 

Anuência

O Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração aponta que, ao retirar a obrigatoriedade de anuência de Estados e Municípios para instalação de empreendimentos de mineração, a proposta concentra poder demasiado na esfera federal, restringindo a decisão de entes federados aos seus territórios e fechando os principais canais atuais de interlocução das comunidades atingidas e ameaçadas pela mineração.

 

Na esteira

Ex-ministros do governo Bolsonaro aguardam a possível filiação ao PL para darem início aos seus planos de campanha. Três deles deixaram as respectivas pastas sob saraivadas de polêmicas e denúncias.

 

Triunvirato

Ex-titular do Meio Ambiente, Ricardo Salles, expulso do Novo, vai tentar uma vaga no Senado. Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação, tem conversado sobre possível candidatura ao governo de São Paulo. E o ex-chanceler Ernesto Araújo cogita concorrer à Câmara, pelo DF.

 

Dossiê

André Mendonça venceu a primeira batalha, mas terá pela frente uma guerra durante a sabatina na próxima semana. Será cobrado pelos senadores principalmente sobre sua polêmica gestão no Ministério da Justiça, quando abusou de processos com base na Lei de Segurança Nacional. Perseguiu jornalistas e produziu um dossiê sobre a atuação de 579 policiais e professores identificados como antifascistas.

 

Crise

Deputado Gustavo Fruet (PDT-PR) pretende instituir um conjunto de medidas para elevar a racionalidade e a eficiência no uso da água. Por meio de uma proposta que altera a Lei nº 9.433/1997 (Política Nacional de Recursos Hídricos), o parlamentar sublinha que o objetivo é preparar o País para o enfrentamento de crise hídrica, como a que assola as regiões Sul e Sudeste em 2021.