Divisão de carros esportivos da Renault, a Alpine encerrou neste início de semana os trabalhos no prólogo, bateria de testes coletivos do FIA WEC realizada no circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica. O brasileiro André Negrão participou dos treinamentos dividindo o modelo Alpine A480 com seus dois parceiros, os franceses Nicolas Lapierre e Matthieu Vaxiviére. Ele será o único representante do Brasil na divisão Hypercars, que substitui a partir de 2021 a LMP1 na condição de classe principal do Mundial de Endurance.

“Começamos nesta quinta-feira nossa caminhada para Le Mans”, antecipou-se Negrão, referindo-se ao início dos treinos oficiais da primeira etapa do Mundial de Endurance, que abre a temporada no mesmo circuito belga onde fez os ensaios na segunda e na terça-feira. “Temos duas metas este ano: brigar pelo título mundial e tentar vencer em Le Mans. Ambas são possíveis. Os dois são um sonho para os franceses da Alpine”, definiu André, que já venceu tanto o Mundial (supertemporada 2018/2019) quanto o Le Mans (2018 e 2019) na categoria LMP2, a segunda na escala de forças do WEC.

Nos anos 1970, a Renault preparou modelos com a chancela da Alpine para disputar as provas dos esporte-protótipos – carros construídos especialmente para as corridas e, por isso, com desempenho superior aos modelos de rua. Em 1978, a marca chegou ao objetivo máximo, conquistar Le Mans na categoria principal, com o Renault Alpine A442 V6 Turbo conduzido pelos franceses Didier Pironi e Jean-Pierre Jaussaud. Na época, os franceses quebraram a sequência de vitórias da alemã Porsche, que, entre 1976 e 1987, obteria inacreditáveis 12 vitórias em 13 participações.

“Já se passaram 43 anos, mais de quatro décadas, daquela vitória de 1978”, observa André. “Se você imaginar que Le Mans é a corrida de endurance mais importante do mundo, é fácil perceber que efetivamente tem um efeito nas vendas de esportivos, especialmente no mercado europeu – e é isso o que faz uma fábrica entrar no esporte. E, se pensar que se trata de uma corrida disputada na França, o quintal da Renault, dá para entender como uma vitória na categoria principal em Le Mans pode ser importante para eles. Especialmente depois de tanto tempo. Eu sou o único piloto não francês do time. E já estou megabalançado só de pensar nessa possibilidade. É muita responsabilidade. Imagine então o resto do time”, conclui o brasileiro de 28 anos.

Os treinos oficiais para as 6 Horas de Spa-Francorchamps começam hoje e seguem amanhã, dia em que o grid de largada será definido. A primeira etapa do Mundial de Endurance será sábado, com largada às 8h30 (horário de Brasília).

Stock Car

A Stock Car terá mudanças para a segunda etapa da temporada, no dia 16 de maio, em Interlagos (SP). A partir da prova paulista, as corridas passarão a ter 30 minutos cada uma e o intervalo da primeira para a segunda prova terá duas voltas para a formação do grid, quando se invertem as posições dos dez primeiros da corrida.

 

Boa decisão

A decisão de fixar cada corrida com 30 minutos e duas voltas para a formação do grid da segunda evita os problemas registrados em Goiânia e também evita que, em caso de safety car, a corrida tenha mais tempo com o carro de segurança na pista do que de competição para valer.

 

Endurance Brasil

Vai começar a temporada 2021 do Império Endurance Brasil. Neste sábado, em Goiânia, a categoria que reúne no mesmo grid os carros mais rápidos do Brasil e supermáquinas como Mercedes, Porsche, McLaren, Audi, Aston Martin e outros realiza a sua primeira etapa com uma corrida que terá quatro horas de duração e promete ser emocionante. No total, 32 carros estão inscritos para a primeira disputa do ano.