O motocross brasileiro está prestes a comemorar uma data histórica em 2021. Serão 50 anos da realização da primeira prova da categoria no País, registrada em 11 de julho de 1971. De lá para cá, alguns motociclistas se tornaram lendas no esporte. É o caso do curitibano Marcelo Silvério que, coincidentemente, também completará 50 anos em breve.

O piloto, que hoje integra o time da Motobatt, marca de baterias multinacional para motos de alto desempenho, tem em seu portfólio grandes prêmios no País e no exterior e este ano vai disputar, entre outros campeonatos, o Espanhol de Supermoto e o Mundial de Flat Track, onde será o primeiro e único brasileiro na modalidade.

Silvério iniciou sua carreira no motociclismo aos 13 anos de idade. Aos 14 ele já fazia o possível e o impossível para ir a uma corrida. “O legal era estar ali, vivendo aquilo. Naquela época não existiam categorias de base e eu alinhava ao lado dos melhores pilotos do Brasil”.

No início do esporte, suas principais referências foram Guilherme Boeing e Eduardo Saçaki, legendários pilotos paranaenses. Depois vieram os estrangeiros, nos anos 1980, que só via em revistas. “Foi um choque, diz ele”.

Logo nos primeiros anos conheceu Clovis Castello, campeão brasileiro com diversos pilotos. “Nos conhecemos só no olhar, meu parceiro desde sempre, formamos uma bela dupla e sou grato por tê-lo ao meu lado.”

Agora, em 2021, Marcelo Silvério segue como piloto do Team Grau da Espanha. Ele vai disputar o Campeonato Espanhol de Supermoto e o Mundial de Flat Track, onde será o primeiro e único brasileiro na modalidade. “Me enche de orgulho ver a nossa bandeira no cartaz da prova. No Brasil vou em busca do título do brasileiro de Flat Track”, diz Marcelo.

 

Fotos: Divulgação