O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou nesta sexta-feira (13) a prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ).

Moraes acusa o ex-deputado de participar de uma suposta milícia digital em ataques às instituições democráticas. A organização criminosa teria sido montada, principalmente, para atacar a próxima eleição.

O advogado de Jefferson, Luiz Gustavo Pereira, disse que a PF está a caminho da casa do ex-deputado. “O que a gente sabe é que é um mandado emitido pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes, relativo a um inquérito novo, aberto no fim de julho, sobre milícias digitais. Ainda estamos nos inteirando dos fatos, te retorno mais tarde, quando tiver mais dados”.

O ex-deputado, presidente nacional do PTB, teve o pedido de prisão feito pela Polícia Federal (PF), que atribui a Jefferson a participação na milícia digita, que tem feito ataques sistemáticos às instituições, notadamente ao STF e também ao processo democrático.

Recentemente, Jefferson, aliado do presidente Jair Bolsonaro, publicou um vídeo nas redes sociais dizendo que se não houvesse o voto impresso, não haveria eleição, reproduzindo o que foi dito por outras autoridades.

Nas redes sociais, o presidente do PTB publicou que a PF estaria em endereços de pessoas ligadas a ele. “A Polícia Federal foi a casa de minha ex-mulher, mãe de meus filhos, com ordem de prisão contra mim e busca e apreensão. Vamos ver de onde parte essa canalhice”. A mensagem foi divulgada pela filha de Jefferson, Cristhiane Brasil.

Em 2012, Jefferson foi condenado durante o processo do Mensalão.

As informações são da CNN Brasil