Cascavel – As ações sociais são ferramentas que contribuem de forma significativa com o conjunto da sociedade, especialmente, com as pessoas em situação de vulnerabilidade. Com a pandemia de Covid-19, ainda mais pessoas ficaram desempregados e passaram a precisar de doações suprir as necessidades básicas do dia a dia.

E essa missão conta com o Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense), organização sem fins lucrativos que nasceu em 1983, que contribui para a melhoria da qualidade de vida, cidadania e humanização da sociedade paranaense. Em visita ao Jornal O Paraná, a presidente da entidade, Carlise Kwiatkowski, lembrou que até o ano de 2002, o Provopar Estadual recebia recursos do Estado, assim como acontecia com o “Provopar Municipal”, mas com a Lei de Responsabilidade Fiscal, o subsídio foi “cortado”.

Assim, as ONGs tiveram que se reinventar e aprender a buscar doações em outros meios, além do tradicional chamamento à comunidade. “Hoje, o Provopar Estadual tem trabalhado somente com a inciativa privada. Nós temos buscado leva-lo para as empresas, principalmente nestes últimos dois anos de pandemia, que foram desafiadores para todos”, explica Carlise.

A presidente falou que apesar do nome “Provopar” existir em praticamente todo o estado, como se fosse uma filial, cada unidade é independente. Contudo, quando uma entidade recebe um grande número de doações, os donativos são divididos entre as instituições, para atender as demandas pontuais. O Provopar Estadual também trabalha em parceria com o Cras (Centro de Referência de Assistência Social), órgão que funciona como porta de entrada para o assistencialismo nos municípios.

Carlise explicou que quando o Provopar recebe uma demanda, vai em busca de um parceiro para ajudar. “Toda doação sempre tem para quem encaminhar. Não tem como uma família buscar uma geração de renda se ela está com fome, com frio, se ela não tem dinheiro para o vale transporte. Tudo começa com essa assistência que o Provopar oferece”, disse.

 

PROJETOS

Além do trabalho de receber e levar as doações para as famílias, o Provopar desenvolve diversos projetos para auxiliar as famílias. Um deles é o “Bebê do Paraná”, projeto que desenvolvido em parcerias com Prefeituras com o objetivo de incentivar às mães em situação de vulnerabilidade social, cadastradas na Rede Mãe Paranaense, a participarem do acompanhamento pré-natal, com atendimento à saúde da mãe e do bebê. O Provopar beneficia as mães participantes com um kit maternidade com os principais itens de enxoval para o recém-nascido.

Outro projeto é o “Ecocidadão Paraná”, parceria criada para a formação de empreendedorismo para grupos de trabalhadores do setor de reciclagem. A atividade organizada abre caminho para a inclusão social, gerando trabalho e renda, sustentabilidade econômica e o fomento ao desenvolvimento local. “Andamos em vários municípios, tiramos toneladas de lixo dos aterros sanitários. Nós temos coletores no litoral do Paraná que ganhavam R$ 70 por mês no início do projeto, em 2014. No mesmo ano eles passaram a ganhar R$ 1.500, porque aprenderam a separar o lixo, a comercializá-lo e ainda tiveram aula de empreendedorismo para saber como lidar com o dinheiro”, conta Carlise.

 

Qualifica Jovem

Além do apoio aos adultos, também existe o foco nos jovens e futuros empreendedores, como o Projeto Qualificação Jovem – Aprendendo e Empreendendo. A ação é baseada em cursos para jovens entre 16 e 18 anos com programação em módulos, integrador e básico, onde aprendem sobre linguagem e comunicação, matemática básica, noções em serviços administrativos, logística, relações interpessoais, saúde integral, ética e empreendedorismo, legislação trabalhista e informática básica.

Carlise Kwiatkowski comemora o crescimento do projeto em todo o Estado. “Nós já capacitamos jovens em Cascavel, Foz do Iguaçu e em todo o Paraná. A gente faz com que esse jovem finalize o curso de capacitação já com um emprego em mãos”.

Como ser beneficiário do Provopar?

Para ser beneficiário, a presidente do Provopar explica que a família deve estar ligada ao Cras (Centro de Referência da Assistência Social), assim o Município faz a comunicação das demandas ao Provopar. A entidade também atende questões pontuais como, por exemplo, quando um parceiro ou líder comunitário se depara com alguma família necessitando de ajuda.

“Eu falo que quando a gente ajuda alguém a graça primeiro passa pela gente, é mágico”, disse a presidente do Provopar sobre o sentimento de poder ajudar o próximo.

 

(Redação – Paulo Eduardo)