Ação humanitária vai a Moçambique

Seis pessoas já estão confirmadas no projeto

Com o objetivo de aprofundar a formação de educadores, a Escola de Consultoria e Pós-Graduação Fronesis, de Cascavel, organiza um projeto de ação humanitária na cidade de Pemba, em Moçambique.

Quando usar máscara de pano

Serão desenvolvidas metodologias de qualificação com professores da UCM (Universidade Católica de Moçambique) e da Escola Municipal de Pemba. Seis pessoas já estão confirmadas no projeto. Serão dois grupos e cada um atuará em uma instituição.

Outras 14 vagas estão disponíveis: “As pessoas confirmadas são alunas de pós-graduação da escola, mas pessoas da comunidade também podem participar. Nós definimos o limite de 20 pessoas devido à logística. Precisamos fazer a gestão das pessoas, de modo que elas tenham suporte e segurança”, explica a coordenadora do projeto, Daniela Martins Simões.

O projeto “Ação Humanitária Moçambique” será realizado de 6 a 27 de novembro. De acordo com Daniela, a escolha do local foi pela dificuldade que o país enfrenta: “Escolhemos Moçambique pela precariedade local. Eles têm uma história de muita miséria e passam por dificuldades política e econômica, principalmente após os ciclones que atingiram o país”.

A proposta tem dois objetivos principais: “O primeiro objetivo é fazer uma ação humanitária, já o segundo é fazer um intercâmbio cultural e científico, analisando o diferente contexto em que estaremos inseridos”.

Todo o trabalho realizado em Moçambique será voluntário. Quem participar deverá custear as passagens de ida e volta, mas a hospedagem e a alimentação serão custeadas pela UCM.

Esse será o primeiro trabalho internacional realizado pela escola, mas Daniela conta que o objetivo é promover outras ações voluntárias internacionais.

Como participar

Quem tiver interesse em participar do projeto “Ação Humanitária Moçambique” deve entrar em contato com a Escola Fronesis pelo telefone (45) 99965-7106 e agendar um horário para tirar dúvidas e saber mais sobre o projeto.

A coordenação busca pessoas da comunidade com formações diferentes. “Pessoas que trabalham com medicina alternativa ou complementar, nutricionistas, fisioterapeutas, para que possamos fazer um trabalho mais amplo”, detalha Daniela Simões.

Reportagem: Milena Lemes

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

dezessete − catorze =