A passos lentos

Por Carla Hachmann

Em tempos de guerra comercial e uma piora no crescimento mundial, quem produz mais e melhor sai na frente. Troféu que vai para a Europa e a América do Norte, que dominam a parte de cima do recém-divulgado ranking de competitividade mundial elaborado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF) em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC).

Quando usar máscara de pano

O Brasil aparece no meio da lista de 141 países, com o tímido avanço de uma casa no último ano (71ª posição). Mas podia ser pior, pois, na América Latina, apenas a Colômbia também teve avanço, mesmo que pequeno. Os demais países patinam, e bastante.

O levantamento, que analisa 103 variáveis agrupadas em 12 pilares que representam quatro fatores: ambiente favorável, capital humano, mercado e ecossistema inovador, evidencia a tendência à concentração da competitividade em poucos países e o aumento da distância entre os países mais e menos competitivos do ranking.

O que fazer para melhorar? Tudo e mais um pouco.

Claro que o Brasil vem de uma profunda crise e que tem encontrado muitas dificuldades para voltar a crescer, com taxas preocupantes de subemprego e com perda de poder aquisitivo constantes nos últimos anos. Mas se quiser sair do buraco, precisa começar a se mexer e a andar para frente, claro. Não dá para retirar mecanismos de combate à corrupção, afrouxar as regras de confiança jurídica que tanto apanhamos para conquistar.

Também não dá para uma reforma virar objeto de barganha e parar. Desde que foi protocolada no Congresso, a reforma da Previdência vai completar oito meses de discussão. As coisas precisam ser mais céleres se queremos ingressar na parte de cima do relatório.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

1 × cinco =