COTIDIANO

Unipar sedia evento de conscientização e prevenção ao abuso sexual infantil

27 de maio de 2022 às 08:48
Publicidade

 

 

A Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Cascavel, sediou em 18 e 19 de maio, evento de conscientização do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes. Estiveram à frente da organização, curso de Psicologia, Instituto Ampliar, Clínica Atos e Projeto ASA (Abusados Sexualmente Anônimos).

Atenção especial à estatística. Dados recentes apontam que apenas 1 a cada 10 casos de abuso é relatado, e, ainda, que 87% dos casos ocorre dentro da família ou envolve pessoas da convivência da criança.

A idealizadora do evento, a psicóloga Monique Färber, foi uma das palestrantes e compartilhou com o público, composto por profissionais da saúde, de Cascavel e da região, formas lúdicas para ensinar autoproteção contra a violência sexual.

A psicóloga indica, como estratégias de intervenção e prevenção, a contação de histórias por meio de fantoches, trabalhando os livros ‘Não me toca seu boboca’ e ‘O segredo da Tartanina’. “As literaturas podem ser trabalhadas pelos pais, com a ideia de ensinar aos filhos a regra aqui ninguém toca e também a como conversar sobre nudez”, disse.

Quem também apresentou uma fábula importante no contexto da prevenção do abuso foi a advogada Juliana Constantino, que detalhou a obra ‘Rabicho e o carinho esquisito’.

Para a abertura do evento foi convidado o coordenador do projeto ASA. O psicólogo Antônio Barbosa explicou como funciona o projeto e o acolhimento e intervenção às vítimas de abuso sexual.

Bem específica, a programação incluiu temas de referência, como violência na escola, abordado pela psicóloga Manoelly Müller, que apresentou as dimensões da violência, gênese social do psiquismo, função social da escola, e a violência como processo histórico e social.

Outro assunto foi a proteção integral da criança e do adolescente e a rede de proteção social no município de Cascavel, explorado pelo diretor do Ceavel e coordenador do Programa de Combate à Evasão Escolar, Vanderlei Augusto da Silva. Os tópicos em questão foram o Código de Menores, o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Constituição Federal (1988), a LEI 8069/90, a função da escola e do Conselho Tutelar.

Na mesa principal esteve a psicóloga e neuropsicóloga clínica Luzia Raimundo, também organizadora do evento. Segundo pontuou, o objetivo é falar da prevenção para os estudantes de Psicologia, para que tenham um olhar diferenciado para reconhecer casos de abuso e saber como conduzir. A profissional falou do perfil do abusador, das patologias, doenças que envolvem o transtorno parafínico e a importância de denunciar.

Outra experiência com grande contribuição foi da psicóloga Queli Peccini, que falou sobre crianças e adolescentes com direitos violados e o trabalho do psicólogo no CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). A palestra sinalizou os tipos de violências, mudanças no comportamento da criança que sofre violência, danos provocados, e a psicoterapia enquanto recurso de enfrentamento.

O evento teve a honra de receber, ainda, ‘mascotes’ que representam a campanha contra o abuso sexual – a Florzinha e o Super Disque 100, projeto de Assis Chateaubriand. A secretária de Assistência Social do município, Izabel Pereira, prestigiou o evento junto com funcionários da pasta. Ela, que já desenvolve ações de reflexão a respeito do abuso sexual, frisou: “É um tema de grande relevância, que impacta no crescimento profissional. Só através do debate é possível compreender a importância da causa”.

Beneficente, o evento recebeu como ingresso produtos de higiene pessoal e brinquedos, que serão doados à uma unidade do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) em Cascavel.

 

 

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE