Surto de Diarreia: ação visa “limpar” a cidade

A ação pretende identificar de onde está surgindo a contaminação

Depois de quatro meses quebrando a cabeça para tentar identificar a causa do surto de diarreia que já fez milhares de vítimas em Cascavel, uma força-tarefa será criada para fazer uma espécie de mutirão de limpeza nos rios, nas fontes e nos riachos que fornecem água para a população.

A ação será desenvolvida entre Sanepar, Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde, Secretaria da Agricultura, Secretária do Meio Ambiente Municipal, IAP e Itaipu.

A decisão foi anunciada ontem à tarde, após reunião a portas fechadas entre o prefeito Leonaldo Paranhos e o presidente da Sanepar, Cláudio Stábile.

Embora todos os caminhos apontem para a água consumida como a fonte disseminadora do protozoário responsável pelo surto, a Sanepar insiste que está tudo bem: a água da Sanepar atende os protocolos do Ministério da Saúde, é totalmente potável ao consumo humano, repetiu Stábile ontem.

Contudo, ele admitiu que laudos identificaram alguns tipos de possíveis meios de contaminação, mas voltou a repetir que “eles não são conclusivos”. Quando serão? Não informou: “Não posso antecipar ou quais são até que tenhamos o laudo definitivo”.

Um laboratório contratado pela Sanepar fez a coleta de água nos rios e irá fazer uma segunda análise, na qual se espera a identificação do protozoário e sua origem.

No dia 1º de março técnicos do Ministério da Saúde chegaram a Cascavel e iniciaram coleta de água de diversas fontes, de torneira a rios, mas ainda não há informação sobre o resultado dessas análises feitas em um laboratório de São Paulo.

Dengue

O mutirão vai focar ainda outro perigo: a dengue. “Estou estudando um decreto para fazer e autorizar as limpezas de terrenos particulares. Vamos mexer na legislação daqueles que provocam a poluição, ou no foco de dengue, ou na contaminação de uma nascente, não podemos mais brincar com esse tema”, disse o prefeito Leonaldo Paranhos.

 



Fale com a Redação

quinze + seis =