O STF (Supremo Tribunal Federal) acolheu parcialmente os pedidos da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e suspendeu a decisão proferida pela juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, que autorizava a transferência do petista de Curitiba para São Paulo, com base em um pedido da Polícia Federal.

Dessa forma, o petista deve seguir preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está desde abril de 2018.

O advogado Cristiano Zanin Martins fez três pedidos ao STF: que conceda liminar para restabelecer a liberdade plena de Lula; subsidiariamente, suspenda a decisão de Carolina até a final julgamento de habeas corpus; e que assegure ao ex-presidente o direito de permanecer em Sala de Estado Maior.
O STF formou maioria para acolher os pedidos secundários da defesa de Lula.