O mês de setembro é dedicado mundialmente para a conscientização sobre o suicídio. Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), realiza a campanha Setembro Amarelo, voltada para a valorização da vida. Cerca de 12 mil suicídios acontecem no Brasil todos os anos. No mundo, esse número é de aproximadamente um milhão. A principal causa está relacionada a transtornos mentais como depressão, transtorno bipolar e uso de substâncias.

Para a médica psiquiatra Regiane Kunz Bereza, a campanha desse mês tem grande potencial para mostrar que a vida importa, independente das situações. “Muitas vezes, o mundo não espera você ficar bem, e são tantos problemas que parece não haver uma solução. A campanha do Setembro Amarelo é uma ação que visa mostrar que existem soluções para as questões que dificultam nosso cotidiano e que a vida vale a pena sempre”, explica.

No último ano, o isolamento social causado pela pandemia trouxe outras questões para a saúde mental, conforme indica a médica. “O isolamento social altera nossa percepção da realidade, nos coloca em uma posição de medo, de distanciamento das pessoas que amamos e objetivos que tínhamos antes. Em muitas pessoas essa dinâmica pode resultar em sintomas depressivos e de ansiedade”, destaca.

Regiane afirma, ainda, que ter uma rede de apoio pode ser essencial na batalha contra transtornos mentais. “Nem sempre estamos no mesmo barco. São histórias, contextos, famílias e empregos diferentes, mas isso não significa que estamos sozinhos, ter uma rede de apoio é fundamental para atravessarmos tempestades”. Por isso a médica psiquiátrica desenvolve a campanha “Você não está sozinho nesse barco”, que tem como destaque um barco que simboliza a jornada, o esforço e a recompensa por chegar a novos lugares.

Com o objetivo de levar informação, apoio e conscientização, a campanha vai ocorrer no ambiente virtual e físico, sempre focando no fornecimento de informações e no acolhimento.
“Com a pandemia, ficou ainda mais evidente o quanto as pessoas precisam se sentir acolhidas e compreendidas. Essa campanha também tem esse viés. Começamos setembro com a missão de divulgar a mensagem em prol da preservação da vida e valorização da jornada, por mais turbulenta que ela esteja no momento”, finaliza a médica.

Nas redes sociais, basta procurar por Doutora Regiane Kunz Bereza ou Psiquiatra Regiane para ter acesso aos conteúdos produzidos pela médica.