A prefeitura de Cascavel divulgou no diário oficial desta terça-feira (20), a exoneração de dois servidores que estariam envolvidos em um esquema de corrupção que fraudava processos licitatórios em Cascavel e outras 20 prefeituras da região.

Os servidores são Giovani Mattei, que ocupava o cargo de gerente da divisão de gerenciamento de frota da Seplag (Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão) e Valmir Nilton Rahmeier, mas conhecido como Pakinha, diretor do departamento de serviços urbanos da Sesop (Secretaria Municipal de Serviços e Obras Públicas). Pakinha foi candidato a vereador na última eleição pelo PSC, partido de Leonaldo Paranhos, contudo, não conseguiu se eleger.

Como consta no diário oficial, a exoneração foi a pedido, ou seja, os próprios servidores pediram a exoneração.

Fraudes em licitação

Na última quinta-feira (15), a Divisão de Combate à Corrupção da Polícia Civil de Foz do Iguaçu cumpriu 59 mandados de busca e apreensão em uma ação da Operação Retro Case, que apura fraudes em processos licitatórios em prefeituras de 21 municípios das regiões oeste e sudoeste do Paraná.

As investigações tiveram início em março de 2019 com o intuito de apurar as irregularidades na aquisição de peças de reposição de máquinas pesadas que compõem as frotas de veículos das prefeituras.

De acordo com a polícia, a empresa era contratada pelo Poder Público para a manutenção de máquinas pesadas, mas entregava peças usadas no lugar de novas, além de superfaturar os preços e cobrar peças que muitas vezes não eram entregues ou utilizadas. As investigações apontaram que a cada R$ 2 milhões em compras de peças, R$ 700 mil eram devolvidos aos servidores em forma de propina.

Em Cascavel, foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão na Secretária de Obras Públicas, na Secretaria de Planejamento e Gestão, no Parque de Máquinas do Município e na casa dos cinco servidores da prefeitura investigados.