O vereador Celso Dal Molin (PL) ameaça deixar o mandato na Câmara de Vereadores de Cascavel se não houver mudanças na legislação municipal sobre a perda de licença-prêmio em casos de doença, tanto em afastamento superior a 180 dias por motivo de saúde quanto afastamento superior a 90 dias para auxiliar o cônjuge que está com alguma doença grave. “Não concordo com essa situação.
É um absurdo, uma injustiça. Que culpa a pessoa tem de ficar doente? Vamos mudar essa situação, se não, eu entrego meu mandato”. O parlamentar pretende discutir a situação com o Sismuvel e com o Paço.

Será mesmo?

O vereador Sebastião Madril (PMB) pediu afastamento por 61 dias para assuntos particulares e ficará sem o salário de parlamentar. É comum entre os vereadores pedir um tempo do Legislativo para que suplentes sintam o gostinho da cadeira. Essa é a segunda vez que Professor Adenilson assume devido a afastamento do titular. Ontem, em pronunciamento, o recém-empossado mandou recado: “A passagem será rápida, mas ficará marcada”.