Saiba como o cigarro eletrônico afeta os pulmões

Só nos Estados Unidos, são 48 mortes associadas ao uso do cigarro eletrônico e quase 2.300 internações

O cigarro eletrônico está cada vez mais popular no Brasil. Entretanto, muita gente não sabe que ele provoca tanto mal. Só nos Estados Unidos, são 48 mortes associadas ao uso do cigarro eletrônico e quase 2.300 internações.

ACIC OUTUBRO 2020

No Brasil, três casos de evali – uma doença no pulmão relacionada ao uso de cigarro eletrônico – foram confirmados.

De acordo com a SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), os pacientes usaram cigarro eletrônico com tetraidrocanabinol (THC) em dispositivos adquiridos nos EUA.

Os sintomas respiratórios da evali podem ser confundidos com uma gripe. São eles: tosse, falta de ar, dor no peito, dor abdominal, febre e calafrios.

Os médicos alertam que, se tiver esses sintomas, a pessoa precisa procurar ajuda e nunca esconder o uso de cigarro eletrônico.

O vapor do cigarro eletrônico e as substâncias tóxicas que ele contém queimam a membrana dos pulmões, prejudicando a troca gasosa de oxigênio por CO2. Essa troca é fundamental para manter as células vivas. Sem oxigênio, elas morrem.

Segundo a cardiologista Jaqueline Scholz, acredita-se que os danos do cigarro eletrônico sejam atualmente maiores devido à potência dos novos vaporizadores.

15 fatos que comprovam que o cigarro eletrônico é prejudicial à saúde

Nos últimos anos, muitos fumantes passaram a optar pelo cigarro eletrônico acreditando que ele seja um hábito não tão nocivo à saúde. Porém, estudos recentes do Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) comprovam que o cigarro eletrônico não é um produto inócuo, tem substâncias cancerígenas e aditivos com sabores cujos efeitos tóxicos à saúde ainda são desconhecidos.

Segundo o estudo, por ser uma novidade e existirem inúmeras formas, gerações, marcas e líquidos, os efeitos de longo prazo na saúde decorrente das inúmeras substâncias presentes no vapor dos DEF (Dispositivos Eletrônicos para Fumar), ou cigarros eletrônicos, ainda não são completamente conhecidos. “O consumo dos cigarros eletrônicos não é recomendado. Qualquer produto derivado do tabaco causa dependência e é prejudicial à saúde”, adverte Andrea Reis, da Divisão de Controle do Tabagismo, do Inca.

De acordo com o Inca, a forma como o produto vem sendo divulgado em diferentes países é problemática, pois leva as pessoas a acreditaram que é um produto menos nocivo do que os cigarros convencionais. “As mesmas técnicas de marketing e publicidade usadas no passado com os cigarros tradicionais, passando a imagem de que não há riscos, acabam estimulando o consumo deste produto por crianças e jovens”, alerta Andrea.

Tire suas dúvidas sobre o cigarro eletrônico:

A partir das informações disponibilizadas pelo Inca no estudo “Cigarros eletrônicos: o que sabemos? Estudo sobre a composição do vapor e danos à saúde, o papel na redução de danos e no tratamento da dependência de nicotina”, seguidas pela avaliação de Andrea Reis, são esclarecidas algumas das principais dúvidas sobre o assunto. Confira:

O que é o cigarro eletrônico?

O cigarro eletrônico é um dispositivo eletrônico utilizado para fumar, alimentado por uma bateria. Contém um cartucho que armazena nicotina líquida, água, substâncias aromatizantes e solventes, como glicerina e propilenoglicol.

Cigarro eletrônico é permitido no Brasil?

Não. Como medida de precaução e proteção à saúde de nossa população, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proíbe a comercialização, a importação e a propaganda de quaisquer DEF (Dispositivos Eletrônicos para Fumar).

Qual é o perigo dos cigarros eletrônicos?

O cigarro eletrônico contém nicotina, que causa dependência. Esse é o primeiro perigo. Além disso, o cigarro eletrônico é o termo utilizado para definir uma grande variedade de produtos que divergem em relação a formato, concentrações de líquidos, marcas, etc. Portanto, pressupõe-se que haja também uma variedade em sua toxicidade e nas consequências para a saúde de quem os usa, dificultando as conclusões de estudos e do controle sobre o que é consumido.

Mesmo diante da variedade de produtos, já se pode dizer que os cigarros eletrônicos representam dois tipos de riscos: o risco individual, que é o surgimento de doenças relacionadas ao seu uso, a ocorrência de explosões e a intoxicação, principalmente por crianças, pelo contato com seu líquido; e o risco coletivo, que seria o impacto da entrada e consumo destes produtos nas medidas de controle do tabaco de um país.

Cigarro eletrônico faz mal à saúde?

Sim. Estudos já demonstraram que o cigarro eletrônico aumenta o risco de infarto agudo do miocárdio e de doenças respiratórias e pulmonares, como a asma. Além disso, esses produtos possuem em sua composição substâncias reconhecidamente cancerígenas.

O cigarro eletrônico ajuda a parar de fumar o cigarro comum?

O uso de cigarro eletrônico não é tratamento. Não há evidência científica que comprove que o uso do cigarro eletrônico seja eficaz para parar de fumar. Por outro lado, as evidências contrárias vêm se acumulando, ou seja, fumantes que usam estes produtos tem menos chance de deixar de fumar. No Brasil, temos tratamento gratuito no SUS para quem quer deixar de fumar de maneira segura.

 


Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação