Na última sexta-feira (22), foi confirmado que uma detenta da PFF (Penitenciária Feminina de Foz de Iguaçu) e um servidor da PEFI (Penitenciária Estadual de Foz de Iguaçu) foram contaminados pelo coronavírus. Após a apresentação de sintomas é que foram testados. Imediatamente, o Sindarspen solicitou testagem em massa  à SESP-PR (Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária) e o Depen (Departamento Penitenciário do Paraná), além de providências urgentes à outros orgãos. Após diálogo do sindicato com o Coordenador do Depen Regional de Foz, Marcos Marques, nesta segunda-feira (22), ele informou que após conseguir doação dos testes, deu início à testagem para covid-19 em todos os servidores da região de Foz de Iguaçu.

No caso de Foz de Iguaçu, a Coordenação Regional do Depen-PR informou ainda na sexta-feira que os testes seriam realizados, mas ainda sem o número suficiente.   A informação inicial foi que, apesar do esforço da regional, foram enviados apenas 25 testes pela SESP-PR. No entanto, o Coordenador da Regional do Depen, Marcos Marques, conseguiu doações de testes com a Prefeitura de Foz de Iguaçu e com a Itaipu, garantindo assim a testagem para todas as unidades penais da região.

Para o presidente do Sindarspen, Ricardo de Carvalho Miranda, “não podemos ficar esperando que os sintomas apareçam para então testar. Existem casos de pessoas assintomáticas que podem transmitir o vírus. Isso é colocar em risco tanto presos como os servidores.” A orientação que os agentes vêm recebendo em todas as unidades é que sejam feitos testes apenas se tiverem sintomas.

Além disso, o sindicato critica que cada região tenha que correr atrás dos testes.  “Reiteramos a importância das iniciativas das regionais, mas, isso não pode ficar por conta das regionais conseguirem “patrocínios”. Precisa ser uma política para todo o estado, com apoio do governo estadual que disponibilize testes para todas as unidades”, contesta a diretora executiva do Sindarspen, Vanderleia Leite. Para ela, a omissão da SESP-PR trará danos para saúde e segurança de presos e servidores. “Podemos ter risco de rebeliões caso ocorra a disseminação da doença em massa.”

Após a confirmação dos casos em Foz de Iguaçu, o Sindarspen enviou ofícios solicitando providências urgentes para o Ministério Público, Conselho da Comunidade, Ordem dos Advogados do Brasil, Secretaria Municipal da Saúde de Foz de Iguaçu, Secretaria Municipal de Segurança de Foz de Iguaçu,  Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz de Iguaçu, Vara de Execução Penal, SESP-PR, Depen-PR, Defensoria Pública, ao Prefeito de Foz de Iguaçu, Chico Brasileiro, ao Deputados Soldado Fruet e ao Vereador Rogerio Quadros.

Plano de monitoramento

O Sindarspen voltou a solicitar do Depen-PR e da SESP-PR que seja implantado um cronograma de testagem de coronavírus nas unidades penais do Paraná e que haja mais transparência na divulgação dos testes realizados e dos resultados obtidos. O novo pedido aconteceu após a confirmação, na última quarta feira (10/06), de que 142 presos e 1 servidor da Cadeia Pública de Toledo testaram positivo para a Covid-19.  A informação foi divulgada pela imprensa local e os resultados positivos foram confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde de Toledo. Segundo informações de policiais penais que trabalham na região, a descoberta dos casos só aconteceu após a testagem feita.  Na quinta feira, 11, o Sindarspen oficiou o Depen – PR e a SESP-PR, reivindicando a apresentação do cronograma de testagem nas unidades penais em todo o Paraná.

O sindicato ainda aguarda a confirmação de uma reunião solicitada com o Secretário de Segurança, Coronel Romulo Marinho Soares para tratar deste assunto e outros voltados à prevenção do coronavírus no sistema penitenciário paranaense.