Duas empresas inabilitadas no certame para a construção do Terminal de Passageiros apresentaram ontem recursos administrativos contra o parecer da Comissão de Licitações. O consórcio formado pela Engedix Soluções de Engenharia Eireli e Marcos José Klein EPP e a empresa Gercindo Senhorini ME fizeram as defesas alegando que atenderam todos os critérios estabelecidos e querem ser mantidas na disputa.

A licitação ocorreu dia 7 deste mês e agora são mais cinco dias úteis para análise dos argumentos. Assim, a expectativa é de que só na próxima semana seja anunciada a vencedora, isso se não forem apresentados novos recursos. “Só depois abriremos os envelopes com as propostas de valor”, explica Alsir Pelissaro, presidente da Cettrans.

Ao todo, 11 empresas participaram da concorrência que tem custo máximo de R$ 18.574.150,06. Duas foram inabilitadas.

A empresa vencedora terá 12 meses para concluir o trabalho. O início das obras está previsto para janeiro de 2019.

Abandono

A obra do novo terminal está parada desde 2016 quando a empresa Onça Construções LTDA abandonou o projeto.

O projeto do novo terminal de passageiros inclui sala de embarque e de espera; sala VIP; lanchonete; quiosque; estacionamento para 398 veículos com acesso ao terminal por escadas e rampa; área coberta para lojas externas e entradas com acessibilidade; praça de alimentação no piso superior com restaurante; lanchonete; sanitários e mirante; área técnica coberta para recebimento e despacho das bagagens e pátio para até três aeronaves modelo boeing 737-800, que tem capacidade para 215 passageiros.