PSD, DEM, MDB: Esplanada traz quem são os cotados do Centrão para assumir cargos no Governo Bolsonaro

Veja quem são os cotados do Centrão para assumir cargos no Governo Bolsonaro

Base no forno

Quando usar máscara de pano

Depois de descobrir que não reinventaria a roda da política no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro começou a ouvir dos partidos do Centrão a demanda pelo apoio à sua governabilidade. PSD, de Gilberto Kassab, pode herdar o Ministério da Agricultura. O Republicanos deve ficar com todo o segundo escalão da Saúde. A bancada da bala deve ser atendida na recriação do Ministério da Segurança Pública, e já tem um nome, o ex-deputado federal Alberto Fraga, do DEM – partido do presidente da Casa, Rodrigo Maia. Deputados do DEM, do MDB e do PSD já falam manso e pedem cautela sobre eventual processo de impeachment. É do jogo.

E o meu?

A despeito da demanda do Republicanos, Valdemar Costa Neto, dono do PL, quer indicar o secretário nacional de Vigilância do Ministério da Saúde.

Solidários

O Solidariedade, de Paulinho da Força Sindical, não foi esquecido. Também dialoga com o Palácio e quer seu naco.

Calculadora

Bolsonaro pode chegar a 420 dos 513 deputados na coalizão que planeja. A conferir.

Mr. Moro

O ex-ministro Sergio Moro fica à toa se quiser, após a quarentena por opção. Ele tem convites para dar aulas nas Universidades de Harvard (Boston) e Columbia (Nova York). Moro não tem registro na OAB para advogar ou fazer pareceres encomendados.

Oi, chefe!

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, viajava de carro para Belo Horizonte quando soube da convocação de Bolsonaro para aparecer na coletiva, no Palácio, sobre a saída de Sergio Moro. Apressou-se em telefonar para o chefe e dizer onde estava.

Comadres

A advogada Rosângela, esposa de Moro, continua amiga da primeira-dama Michelle Bolsonaro. E só. O casal ex-inquilino de Brasília não quer papo com Bolsonaro.

Fora do ar

Caiu no BB o diretor de Marketing, Alexandre Alves de Souza, pressionado internamente para ajudar emissoras pró-Governo, contam fontes.

***De carona

O comando do Banco Central está irritado com a credenciadora de cartões Stone. Depois de saber que a equipe econômica contava com estudo sobre o possível uso das maquininhas para conceder crédito a pequenas empresas, a companhia passou a fazer propaganda da ideia alheia como se fosse dela. O formato da solução ainda está em estudo pelo BC.

Made in China

Os médicos de Brasília, das redes pública e particular, estão enfurecidos com os kits chineses de testes para covid-19. Fato é que alguns óbitos no HRAN, unidade pública da capital, tiveram laudo confirmado para contaminação do coronarívus em pacientes que testaram duas vezes negativos.

Sem selo

Questionado pela Coluna, o Sindicato dos Médicos do DF afirma que “é uma situação que merece atenção redobrada”. Completa que infectologistas têm revelado “preocupação com a qualidade dos testes que estão sendo oferecidos no mercado” E que os kits não passaram por testagem prévia em laboratórios como Inmetro e Lacen (DF).

***Povo sofre

Não bastasse a crise na saúde, o coitado do brasileiro não consegue receber os R$ 600 do auxílio emergencial da Caixa por erro do banco. Dois casos de Brasília, aos quais tivemos acessos: mulheres desempregadas foram barradas no cadastro porque o sistema constatou que têm ocupação. Já deram baixa na CTPS há dois anos.

Boa iniciativa

A Prefeitura de Porto Alegre vai ganhar um hospital definitivo, com 60 leitos, bancado por Ipiranga, Gerdau, Hospital Moinhos de Vento e Grupo Zaffari. Será um centro de tratamento de combate ao novo coronavírus. Investimento de R$ 10,4 milhões.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

5 × três =