O Projeto Meninos do Lago celebra, nesta quinta-feira (29), os dez anos de sua criação. Na ocasião serão entregues 80 novos caiaques e canoas adquiridos por meio de um convênio entre a Itaipu e o Instituto Meninos do Lago (Imel).

Participam da solenidade os diretores da Itaipu general Joaquim Silva e Luna (geral brasileiro) e o general Luiz Felipe Carbonell (coordenação); o secretário especial do Esporte, general Décio dos Santos Brasil; autoridades de Foz do Iguaçu, além do canoísta iguaçuense Felipe Borges (medalha de bronze no Pan-Americano de Lima, Peru), que iniciou sua carreira no Meninos do Lago.

O projeto nasceu em parceria entre Itaipu Binacional e a Federação Paranaense de Canoagem (Fepacan), com o objetivo social de oferecer aulas de canoagem no contraturno escolar para jovens de 5 a 16 anos de idade, em situação de vulnerabilidade. Em 2011, foi criado o Instituto Meninos do Lago (Imel) para regularizar a participação dos atletas formados no Projeto Meninos do Lago em competições nacionais e internacionais.

Nesses 10 anos de Meninos do Lago, foram atendidos 1.195 atletas. Em 2019, o projeto ganhou um impulso e, hoje, atende seis vezes mais jovens que no ano passado. São 456 atletas ativos, regularizados. Porém em fase de autorização e exames médicos, outros 283 aguardam.

Com os resultados em competições, o projeto passou a preparar atletas para a alta performance. O Brasil teve participação histórica nos Jogos Pan-Americanos, realizado em Lima, no Peru, de 26 de julho a 11 de agosto.

Dos seis atletas que representaram o País na competição, cinco integram o Imel e treinam no Canal Itaipu. Dois deles foram medalhistas: Ana Sátila (dois ouros nas categorias C1 e Canoagem Slalom Extremo Feminino) e Felipe Borges (uma medalha de bronze no C1 Masculino).

Os outros atletas do Imel são: Fábio Scchena Dias Rodrigues (Canoagem Slalom Extremo –  Masculino), Omira Estácia (K1F – Caiaque Individual Feminino) e Marina Souza Costa (Canoagem Slalom Extremo Feminino). Os outros ouros do Brasil foram conquistados por Pedro Gonçalves, o Pepê, no K1 e Canoagem Slalom Extremo Masculino. Pepê é atleta da Associação Pirajuense de Esportes Náuticos, mas já morou em Foz do Iguaçu e treina no Canal Itaipu.

Em abril deste ano, de olho nas Paralimpíadas, o Imel abriu 14 vagas para atletas portadores de deficiência física. A paracanoagem será ofertada, inicialmente, para atletas maiores de 18 anos. Com a melhoria da infraestrutura específica para esta modalidade, o objetivo é, no futuro, reduzir a idade inicial para 14 anos.

Vale lembrar que, no início de agosto, em visita à Itaipu, a ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, encantou-se com o projeto e afirmou que pretende levar a experiência para regiões ribeirinhas do Brasil. Segundo ela, a ideia é fazer um projeto-piloto na Ilha do Marajó, no Pará.