Plusval de Umuarama confirma operação para a 2ª quinzena de junho

Para o prefeito Celso Pozzobom, a atividade industrial movimentará todo o setor agropecuário e trará grandes benefícios a Umuarama.

Em visita ao prefeito Celso Pozzobom na manhã de ontem (terça-feira, 5), na Prefeitura, o novo gerente da Plusval em Umuarama, Rodrigo Francisco, confirmou o início do abate de frangos na unidade de Umuarama para a segunda quinzena de junho, com a previsão inicial de 60 mil aves por dia. Informou ainda que a contratação de trabalhadores deve ser ampliada a partir do próximo dia 15, com a ocupação de mais 390 postos de trabalho – totalizando cerca de 600 operários na planta industrial e em setores administrativos, para o início das operações.

Quando usar máscara de pano

Francisco estava acompanhado do gerente que vinha coordenando o processo de implantação da indústria na cidade, Décio Panazzolo. Eles informaram ao prefeito que, apesar da crise no setor de saúde provocado pela pandemia do coronavírus, as obras de adequação e ampliação da unidade seguem dentro do cronograma. “A construção está na parte final, na fase de acabamento, e segue ritmo acelerado, porém com todos os cuidados que o momento exige”, disse o gerente.

Panazzolo afirmou que a unidade está integrada com os criadores de frangos. “Estamos concluindo a montagem e os preparativos para começar o abate. Temos meta de 200 mil aves por dia até meados de 2021, quando projetamos ter pelo menos 100 avicultores integrados no município e cidades próximas”, explicou. A produção levará a marca Levo Alimentos.

Para o prefeito Celso Pozzobom, a atividade industrial movimentará todo o setor agropecuário e trará grandes benefícios a Umuarama. “Temos muito potencial a ser explorado e os produtores serão estimulados por este projeto, especialmente na produção de grãos – como soja e milho –, que são muito utilizados na avicultura, por exemplo na produção de ração”, disse. “O projeto tem nosso apoio e a parceria da Prefeitura, dentro do que cabe ao setor público, pela importância econômica e social que representa”, afirmou.

E acrescentou: “Além do estímulo ao setor produtivo, o projeto trará inúmeros benefícios à nossa economia, pois representa geração de emprego e renda, ampliação das receitas tributárias, desenvolvimento de setores agregados, aquisição e ocupação de imóveis, maior procura por serviços e aquecimento do comércio, entre tantas outras vantagens que a cidade deve experimentar”, ponderou o prefeito.

Investimentos

Para atingir o volume necessário de barracões de frangos, o setor deve investir mais R$ 30 milhões em novos aviários, com recursos já assegurados por instituições financeiras como a Fomento Paraná, em condições especiais. A operação da unidade movimentará ainda o setor de transporte de insumos, aves e trabalhadores, prestadores de serviço nas áreas de manutenção, mecânica e engenharia e gerar ainda muitos empregos indiretos com atividades relacionadas.

“Até a produção agrícola das propriedades que contam com aviários deve ser melhorada com a incorporação do esterco ao solo, um fertilizante muito eficiente que será produzido em abundância”, emendou Panazzolo.

O investimento nesta primeira fase de implantação do abatedouro gira em torno de R$ 70 milhões, de acordo com o gerente, “porém deve chegar aos R$ 150 milhões com a consolidação do projeto nos próximos anos”, pontuou Rodrigo Francisco.

“Além disso, na implantação de aviários devem ser investidos até R$ 100 milhões nos próximos três ou quatro anos, até atingirmos a capacidade plena de abate, e todos dotados do que há de mais moderno no mundo em termos de equipamentos e tecnologia”, completou.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

nove + 4 =