O prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) sugere a criação do Programa Integrado de Segurança Comunitária de Cascavel, que estabelece pagamento de diárias aos servidores públicos – policiais e guardas – que participarem das atividades para reforçar o efetivo nas ruas. O prefeito alega que a ação “tem por finalidade a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, por intermédio de atuação conjunta, coordenada, sistêmica e integrada dos órgãos de segurança pública e defesa social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, em articulação com a sociedade”.

A medida integra os órgãos de segurança pública do Município e do Estado, firmando um convênio técnico e financeiro para manter reforço operacional. A ação do Executivo está embasada na Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social.

Os valores propostos para compensar os policiais e guardas repassados por meio de “Diárias de Reforço Operacional” seriam entre R$ 18 para cada hora diurna e até R$ 21 para cada hora noturna (das 22h até as 5h) -, pagamento realizado pela Secretaria de Política Sobre Drogas e Proteção à Comunidade.

Para que entre em funcionamento, o projeto terá que passar pela Câmara de Vereadores e, por enquanto, tramita em comissões permanentes.

Apoio

O vereador Sebastião Madril (PMB), presidente da Comissão de Segurança e Trânsito, diz que essa proposta vem sendo discutida desde o início do mandato e possui grandes possibilidades de implantação. “Nas horas de folga os servidores poderão atuar em ações especiais – em regiões que registrarem aumento de crimes. Os policiais atuarão fardados e armados, em viaturas da Guarda. Em cidades de São Paulo isso já ocorre. É um jeito de aumentar o efetivo”.

Integração

O texto encaminhado à Câmara estabelece um trabalho cooperativo, sistêmico e harmônico da Polícia Militar, Polícia Civil, Guarda Municipal e Guarda Patrimonial.

A expectativa é de que o Programa Integrado de Segurança Comunitária integre o Plano Municipal de Segurança Pública de Cascavel. As despesas serão arcadas pela prefeitura, que já estabelece o impacto financeiro para este ano de R$ 172,8 mil, R$ 716 mil em 2019 e R$ 764,7 mil em 2020.