Curitiba – No primeiro semestre deste ano, 3,13 milhões de transferências entre operadoras de telefonia fixa e móvel foram efetivadas no País sem alteração do número de identificação do usuário.

De acordo com o último relatório da Entidade Administradora da portabilidade numérica, a ABR Telecom (Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações), entre os meses de janeiro e junho deste ano, foram realizadas 711,78 mil (23%) trocas de operadoras de telefonia por solicitação de usuários de serviço fixo e 2,42 milhões (77%) para os do serviço móvel.

No período de janeiro a junho de 2018, os usuários de telefones da área dos DDDs 41 a 46 (todo o Paraná) fizeram 201,68 mil ações de portabilidade numérica. O equivalente a 58,91 mil (29%) solicitações foram concluídas por usuários de telefones fixos e 142,77 mil (71%) de telefones móveis.

A portabilidade numérica existe, no Brasil, desde setembro de 2008. Implantada de forma gradativa nos 67 DDDs ativos, permite que o número de identificação dos telefones fixos e móveis sejam mantidos mesmo após a transferência de operadora.

Para fazer a portabilidade numérica
Entre os critérios que devem ser observados, no momento de solicitar transferência de operadora, o regulamento da portabilidade numérica orienta:
– Dirigir-se à operadora para onde quer migrar
– Informar o nome completo
– Comprovar a titularidade da linha telefônica
– Informar o número do documento de identidade
– Informar o número do registro no cadastro do Ministério da Fazenda, no caso de pessoa jurídica
– Informar o endereço completo do assinante do serviço
– Informar o código de acesso
– Informar o nome da operadora de onde está saindo.