Curitiba – O governador Carlos Massa Ratinho Junior instituiu nessa segunda-feira (17), por decreto, um Comitê Técnico Interinstitucional de Cooperação para Pesquisa, Desenvolvimento, Testagem, Fabricação e Distribuição de Vacina contra Sars-CoV-2 (covid-19).  O grupo colegiado tem como objetivo alinhar e coordenar as atividades de pesquisa, desenvolvimento, testagem, fabricação e distribuição, no Estado, de um eventual imunizante com eficácia comprovada.

“O Paraná já estabeleceu os primeiros contatos com laboratórios da China e da Rússia. Estamos interessados em entender essas vacinas e as respectivas pesquisas. Mas esse comitê também vai servir para conhecer outros estudos que estão em andamento em todo o mundo”, afirmou Ratinho Junior. “É mais uma medida de preparação para o momento do anúncio do imunizante, parte do planejamento estadual de combate ao novo coronavírus”.

O comitê é composto permanentemente por representantes da Casa Civil, do Escritório de Representação do Governo em Brasília, da Secretaria da Saúde e da Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná. Técnicos do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), do Ministério da Saúde, do Ministério da Ciência e Tecnologia, do Ministério das Relações Exteriores e da Sociedade Brasileira de Infectologia serão convidados a integrar os trabalhos. Os membros serão indicados pelos titulares dos respectivos órgãos e entidades.

Acordos

O governo do Paraná assinou na semana passada um memorando de entendimento com o Fundo de Investimento Direto da Rússia para ampliar a cooperação técnica, as transferências de tecnologia e os estudos sobre a vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleia. O acordo deixa aberta a possibilidade de realização de testes, produção e distribuição do imunizante, desde que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprove todos os protocolos.

O Estado também já assinou um termo de cooperação técnica e científica com a China para iniciar a testagem e a produção de vacina da Sinopharm. O acordo garante ao Paraná acesso ao resultado das duas primeiras fases da pesquisa. Segundo o laboratório, os processos iniciais, já encerrados, tiveram 100% de positivação e nenhuma reação adversa grave.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 167 vacinas contra a covid-19 estão sendo produzidas e testadas no mundo, e 28 já estão na fase de testes em seres humanos.

Reserva financeira

O Paraná terá reserva orçamentária de R$ 200 milhões para a compra de vacinas contra a covid-19 em 2021. Metade do valor virá do caixa da Secretaria da Saúde e a outra parte é resultado de um repasse da Assembleia Legislativa.