Brasília – A Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) pediu ontem (13) uma ação conjunta nas Américas para ajudar todos os países da região a alcançar a meta de cobertura vacinal contra a Covid-19 da OMS (Organização Mundial da Saúde) de 40% de sua população até o final deste ano. Até o momento, apenas nove países da região vacinaram 50% de sua população, enquanto seis – Jamaica, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Haiti, Guatemala e Nicarágua – ainda não alcançaram 20% de cobertura vacinal, de acordo com a Opas.

Sem uma ação conjunta para ampliar a taxa de vacinação e as medidas de saúde pública, é possível que a covid-19 se torne endêmica na região, advertiu a diretora da Opas, Carissa Etienne, em um briefing semanal. A vacinação com a terceira dose de reforço é recomendada, especialmente para pessoas que tomaram a CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac Biotech, e o imunizante da também chinesa Sinopharm, cujos estudos mostraram fornecer uma proteção menor em jovens adultos, disse o diretor-assistente da Opas, Jarbas Barbosa.

A vacinação de reforço deve começar entre as pessoas com mais de 80 anos, seguida por aqueles com mais de 60 anos com comorbidades e, em seguida, jovens adultos, disse ele

 

No Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil ultrapassou a marca de 100 milhões de pessoas com o ciclo vacinal contra a covi-19 completo – as duas doses ou a dose única no caso da vacina da Janssen. Apesar da marca, o país não imunizou mais da metade da população, atingindo 47% da população totalmente vacinadas.

No total, foram aplicadas 249,7 milhões de doses na população, sendo que 149,7 milhões receberam a primeira dose, e 100 milhões tiveram a aplicação das duas doses ou dose única. No quadro internacional, o Brasil ocupa a 62ª posição no ranking de países na vacinação contra a covid-19 em relação à população de cada nação, segundo a Universidade Johns Hopkins, com sede nos Estados Unidos.

O país, no entanto, está acima da média mundial, de pouco mais de 35%. Quando considerados os números absolutos, o Brasil fica na quarta posição como país com mais doses aplicadas, atrás de Estados Unidos (187,7 milhões), Índia (272,6 milhões) e China (1,047 bilhão).