Curitiba – Mais um envolvido na Operação Integração fechou delação premiada com o Ministério Público Federal. Trata-se de Hugo Ono, funcionário da empreiteira Triunfo/Econorte, concessionária que administra a BR-369 no trecho do Anel de Integração que liga Jacarezinho e Londrina, no norte do Estado. As informações são do blog Contraponto.

Hugo Ono conta ter sido um dos responsáveis pelo transporte de valores em espécie com que eram “presenteados” servidores públicos do Governo Beto Richa, dentre os quais o ex-diretor-geral do DER Nelson Leal Jr. e o ex-assessor da Casa Civil Carlos Nasser Filho.

Hugo Ono dá pormenores. Sabe, por exemplo, que o ex-presidente da Econorte Hélio Ogama recebia instruções superiores para receber e distribuir propinas. Chegou a falar por telefone com Carlos Nasser quando este reclamou de atrasos nos pagamentos e que sabia que para ele eram feitos repasses mensais, embora não soubesse que serviços prestava para as empresas Econorte e Rio Tibagi.

O delator disse também ao MPF ter conhecimento do trânsito de valores com a empresa de engenharia GTech, administrada pelo servidor do DER Oscar Gayer, incumbida de fazer medições de obras realizadas pela Econorte na rodovia BR-369. Fez constar também que o filho dele, Oscar Gayer Filho, mantinha um “laboratório” a serviço da concessionária e para a qual fazia “voltar” dinheiro que lhe era pago.

Por conta da colaboração, Hugo Ono recebeu como prêmios não ter de cumprir oito anos de prisão em regime fechado, pena reduzida quatro horas semanais de serviços comunitários durante dois anos. Além disso, terá de devolver em três parcelas R$ 50 mil a título de reparação dos danos que causou ao erário. Não teve bens confiscados, uma vez que não foram encontrados elementos de que teria adquirido imóveis com valores provenientes do esquema corrupto.