Milho segunda safra: Com plantio concluído, campo espera chuva

Em Cascavel, são 99% da área estimada plantada, a redução chega a 10%.

Cascavel – Dados do Deral (Departamento de Economia Rural) do Paraná mostram que o plantio milho segunda safra está praticamente concluído na região oeste. Em Cascavel, são 99% da área estimada plantada, a redução chega a 10%. “No Estado, temos cerca de 90% da área estimada plantada. Em Cascavel, já temos 217.250 hectares de milho segunda safra cultivados, dos cerca de 279 mil hectares estimados. Se comparar com a área do ano anterior, a redução é de 10%. Um dos motivos é o atraso no plantio da soja por conta da estiagem que atingiu a região ano passado e que deixou muitos produtores fora da janela de zoneamento agrícola”, explica o economista Marcelo Garrido, do Deral.

Já em Toledo o plantio está concluído. “Na nossa regional, já está tudo plantado. Fechamos com 419 mil hectares, uma redução quase 6% se comparado à área de 2019, que era de 445 mil hectares”, explica a engenheira agrônoma Jean Marie Ferrarini, do Deral da regional de Toledo.

 

E a chuva?

Segundo Jean, o que tem tirado o sono dos produtores é a falta de chuva, que vem prejudicando o desenvolvimento da planta. “O milho está precisando muito de chuva. O calor e a estiagem estão atrapalhando o crescimento, da mesma forma como foi com a soja no ano passado. A nossa esperança é de que volte a chover de forma significativa nos próximos dias, porque há quase um mês tivemos apenas pancadas isoladas e rápidas, com volumes muito baixos. Chovendo, a nossa esperança é de que a planta se recupere e dê um salto de crescimento, como ocorreu com a soja, diminuindo as perdas na produção”, explica.

Já existe uma previsão de redução na produtividade em relação ao ano anterior. “Nós contamos com a volta das chuvas, mas já sabemos que não existe o mesmo potencial da safrinha do ano passado. Estamos estimando uma produção média de 5.700 kg por hectare, enquanto tivemos 7.000 kg/ha em 2019”, compara.

Além da chuva que atingiu a região nessa quarta-feira (18), que não foi registrada em todos os municípios e em outros não teve volumes significativos, o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná) prevê pancadas e acumulado de cerca de 20 milímetros para esta quinta-feira (19) na região oeste. Depois disso, a previsão é para pancadas apenas no dia 28 de março. Vale lembrar que o outono começa nesta sexta.

Colheita da soja

O campo seco tem facilitado a colheita da soja, que chega a 75% das lavouras do Estado. “Temos regiões que plantam mais tarde e colhem mais tarde, consequentemente. Mas, no oeste, já temos praticamente 100% da soja retirada do campo. Em Cascavel, são 99% colhidos, em Toledo já é 100%. A produtividade foi muito boa, mas ainda não há dados totais contabilizados. Estima-se que sejam colhidos na região cerca de 3,8 milhões de toneladas. Cascavel colheu 2,59 milhões superando os 2,2 milhões de toneladas da safra 2016/2017 e Toledo, 1,9 milhão de toneladas, superando as 1,8 milhões/ton do recorde anterior. A média estadual é de 3.725 kg/ha até o momento, mas na região houve produtividade de mais de 4 mil kg/ha, então a real produtividade só deve sair na próxima semana, quando houver a soma de tudo no fechamento mensal”, garante Marcelo Garrido.

Ele explica que a produção no Estado deve chegar a 20 milhões de toneladas, novo recorde, ultrapassando as 19,9 milhões da safra 2016/2017.

O milho primeira safra no Estado tem 67% da área colhida, com produtividade média até o momento de 9.500 kg/ha.

Toledo já colheu os 3.700 hectares cultivados, e a produtividade seguiu a média estadual. Cascavel, com 55% da área de 23 mil hectares colhida, tem produção de cerca de 10.000 kg/ha.

Um panorama geral da produtividade deve ser divulgado somente no fim de março ou no início de abril, quando uma área mais significativa estiver colhida.

 



Fale com a Redação

vinte − catorze =