Justiça eleitoral determina suspensão de propaganda de Crivella

RIO. O juiz Marcelo Oliveira da Silva, da 123ª Zona Eleitoral do Rio, determinou, neste domingo, a suspensão de propaganda de rádio e TV do candidato do PRB à Prefeitura do Rio, Marcelo Crivella, que faz referência à acusação de que o candidato do PMDB, Pedro Paulo, agrediu sua ex-mulher, sem citar que o inquérito foi arquivado pelo Supremo Tribunal Fedeal (STF).

JK

?Em 2015 a imprensa noticiou que Pedro Paulo agrediu sua esposa pelo menos duas vezes, segundo ocorrências policiais, uma inclusive na frente de sua filha de dois anos. Se um homem não é capaz de administrar uma crise doméstica na própria família, como será capaz de administar uma cidade complexa como o Rio??, diz inserção veiculada duas vezes na última sexta-feira, acompanhada da foto do peemedebista.

A pedido da campanha de Pedro Paulo, o juiz determinou a suspensão da propaganda, sob pena de multa de R$ 100 mil por cada exibição, a partir da notificação. De acordo com a decisão, Crivella poderia fazer alusão à investigação, mas, ?por dever de lealdade com a verdade informativa, deveria ter informado ao eleitorado em geral que o inquérito policial acabou por ser arquivado, por ausência de indícios mínimos probatórios?.

Procurada, a campanha do candidato do PRB não se manifestou.

O ministro Luiz Fux, do STF, arquivou o inquérito no último dia 16, data de início da campanha oficial para as prefeituras e câmaras municipais. O peemedebista era investigado por suposto crime de lesão corporal contra sua ex-mulher Alexandra Marcondes. Ao determinar o arquivamento do inquérito, Fux atendeu a um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que não se convenceu da ocorrência do crime.

No pedido de encerramento do caso, Janot concluiu que as provas confirmaram que as lesões corporais no exame de Alexandra foram decorrentes de atitude defensiva de Pedro Paulo. Não ficou demonstrado, para o procurador, a ocorrência da lesão corporal, que precisa ser provocada de forma consciente e dolosa contra a vítima.

Em 2010, a ex-mulher de Pedro Paulo declarou à Polícia Civil que foi agredida. Em abril deste ano, Alexandra mudou a versão. Disse que as lesões foram provocadas por Pedro Paulo na tentativa de se livrar das tentativas de agressão dela mesma contra ele. A babá também tinha prestado depoimento primeiro dizendo que tinha presenciado a patroa ser agredida pelo marido. Depois, também apresentou nova versão. Disse que não viu a discussão e também não tinha visto nenhum sinal de agressão no corpo de Alexandra. Como justificativa, a babá disse que tinha se colocado na situação da patroa, que tinha sido supostamente traída.

JK

Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação