Em julgamento realizado nessa quinta-feira (22), o Tribunal do Júri de Catanduvas, no Oeste paranaense, condenou a 33 anos e 8 meses de prisão um homem que cometeu estupro de vulnerável contra uma mulher paraplégica e em seguida a matou por asfixia.

O crime aconteceu em Três Barras do Paraná (município da comarca de Catanduvas) no dia 3 de dezembro de 2017.

Os jurados acolheram todos os pontos sustentados na denúncia pelo Ministério Público do Paraná, inclusive as quatro qualificadoras do homicídio: cometido para ocultar outro crime (o estupro), com emprego de asfixia, à traição (a vítima era amiga do réu e foi atraída por ela a um local ermo) e feminicídio (por menosprezo à condição de mulher).