Itaipulândia – Depois de percorrer cinco municípios do Paraná, do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, o município paranaense de Itaipulândia encerra no dia 7 de agosto a 10ª edição do Ciclo de Conscientização sobre saúde e segurança do produtor e proteção da criança e do adolescente.

Promovido pelo SindiTabado (Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco) e empresas associadas, com o apoio da Afubra (Associação dos Fumicultores do Brasil), o evento reunirá produtores de tabaco, agentes de saúde, diretores de escolas, autoridades e imprensa a partir das 13h, no Centro de Artes (Avenida Torres, 1.728 – Centro).

A programação integra vídeos informativos sobre questões como a correta aplicação, manuseio e armazenagem de agrotóxicos e a importância da utilização da vestimenta de colheita, bem como um bate-papo sobre trabalho infantil e uma peça teatral sobre os temas.

Saiba mais

Os seminários realizados desde 2009 em municípios produtores de tabaco atendem aos acordos firmados perante o MPT-RS e o MPT-Brasília. Em nove anos, os seminários do Ciclo de Conscientização já registraram a participação de 23 mil pessoas, a maioria produtores de tabaco, em 55 municípios da Região Sul do Brasil.

O setor do tabaco é pioneiro no combate ao trabalho infantil no meio rural. Há 20 anos desenvolve ações para conscientizar o produtor a cumprir a legislação, uma vez que menores de 18 anos não podem trabalhar na produção. Também é o único a exigir o comprovante de matrícula dos filhos dos agricultores em idade escolar e o atestado de frequência para a renovação do contrato comercial existente entre empresas e produtores, dentro do Sistema Integrado de Produção de Tabaco.

Tabaco em folha

O tabaco representa a oitava maior receita agropecuária da Região Sul do Brasil e a 15ª no ranking nacional; na pauta de exportações, é o décimo produto mais embarcado pelo País. Pelo 25º ano consecutivo, o Brasil é o líder mundial em exportações de tabaco: em 2017 foram exportadas 462 mil toneladas, movimentando US$ 2,09 bilhões. O Brasil é também o segundo maior produtor de tabaco do mundo, atrás somente da China. No País, são 600 mil pessoas envolvidas na produção rural e 40 mil empregos diretos nas indústrias, em 566 municípios.