Informe da redação: polêmica do transporte, Abraham Weintraub e banco de dados de profissionais habilitados

Polêmica no transporte em Cascavel

Cartão de Todos

A queda da bilhetagem eletrônica plena em Cascavel voltou a permitir que passageiros paguem a passagem em dinheiro, o que estava proibido desde 2015. Contudo, em tempos de ânimos exaltados, a recomendação da Procuradoria Jurídica da prefeitura é que as pessoas tenham bom senso, pois as empresas terão de encontrar uma maneira de receber o valor e providenciar o troco, quando necessário, algo que não acontece desde que os cobradores foram extintos do sistema. O assunto foi discutido ontem à tarde na Câmara de Cascavel e esclareceu essa dúvida. Contudo, já se espera uma longa batalha pela frente, pois a adequação das empresas vai demandar aumento de custos e a consequente cobrança pelo aumento da tarifa.

Persona non grata

Apesar do drible bem-sucedido para chegar aos Estados Unidos, o ex-ministro Abraham Weintraub não deve ter vida fácil no seu novo cargo no Banco Mundial. A associação dos funcionários do Bird enviou uma carta ontem ao comitê de ética da instituição contrária à nomeação do brasileiro para o cargo de diretor-executivo. A entidade representativa pede que a indicação seja suspensa até que acusações contra Weintraub sejam analisadas pelo comitê.

Pode ou não pode?

No documento, a associação diz que “muitos funcionários estão profundamente perturbados” com algumas atitudes do ex-ministro, entre elas o tweet no qual culpou a China pela pandemia do novo coronavírus. Contudo, ressalta que, “apesar de essa nomeação ter sido condenada por múltiplos países clientes”, os funcionários entendem que a indicação é uma prerrogativa do governo brasileiro. Por isso, apelaram ao Código de Ética do banco.

Banco de profissionais

Em parceria com o CFA (Conselho Federal de Administração), o Ministério da Justiça irá criar um banco de dados de profissionais habilitados que irão gerenciar empresas confiscadas em operações contra o crime organizado e a lavagem de dinheiro. “A iniciativa visa manter os empregos e as atividades econômicas dos estabelecimentos apreendidos, evitando a depreciação dos negócios e possibilitando o futuro leilão das empresas”, justifica o ministério.

Ajuda maior

Governos estaduais e prefeituras se articulam para ampliar o apoio financeiro da União estabelecido pela Medida Provisória 938 até o fim do ano. Pela MP, o governo federal irá ressarcir as perdas nos repasses do FPE e do FPM entre os meses de março e junho deste ano com os mesmos valores de 2019. Prevendo tempos difíceis, os gestores querem que essa compensação siga até o fim do ano.

Transparência total

O governo do Estado consolida os detalhes finais para iniciar a implantação do Projeto Harpia, ferramenta tecnológica que vai aumentar o controle sobre o dinheiro público, combater a corrupção e transformar o Paraná no estado mais transparente do País. O modelo foi apresentado ontem ao governador Carlos Massa Ratinho Junior pela CGE (Controladoria-Geral do Estado).

Como funciona

O controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, explicou que a meta é reduzir em 97% qualquer nível de irregularidade. Segundo ele, a plataforma vai permitir aos gestores o monitoramento em tempo real de todas as licitações e aquisições feitas pelo Estado e ela mesma vai acusar irregularidades. As informações serão compartilhadas, em tempo real, com agentes do TCE-PR (Tribunal de Contas do Estado) e do Ministério Público.

Fundepar

O engenheiro Alessandro Oliveira assumiu a presidência da Fundepar e reforçou o compromisso de oferecer condições adequadas de infraestrutura para as mais de 2,1 mil escolas estaduais do Paraná e, assim, contribuir com a qualidade de ensino.  Alessandro objetiva implantar modelos de gestão que tragam mais rapidez, eficiência e transparência nas ações promovidas pelo instituto. A proposta é agregar ainda mais qualidade no atendimento da execução das obras escolares e mais serviços.

 


Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação