Informe da redação: Paraná vence guerra fiscal, Reni Pereira condenado e a novela das urnas

Paraná vence guerra fiscal

Após oito meses de negociação sobre incentivos fiscais, o Paraná “ganhou” a mão da Prati-Donaduzzi, que confirmou ontem investimento de R$ 650 milhões na ampliação da planta em Toledo. O Paraná brigava com São Paulo, Pernambuco e Ceará por essa planta da empresa. Serão gerados 350 empregos diretos. A Prati-Donaduzzi é a maior fabricante de medicamentos genéricos do País, com capacidade produtiva de 12 bilhões de doses terapêuticas por ano.

 

Agenda cheia I

Duas reuniões de prefeitos estão agendadas para esta quinta no Show Rural. A primeira começa às 10h, no auditório da Ocepar, com a participação de prefeitos e líderes políticos do oeste e do sudoeste sobre a luta pela reabertura da Estrada do Colono.

 

Agenda cheia II

A segunda será às 14h30, no auditório da Coopavel, e a discussão será sobre temas estruturantes, como duplicação de rodovias, obras, investimentos em logística, habitação e outros. Os prefeitos esperam a presença do governador Ratinho Junior nos dois encontros.

 

Condenado

A juíza federal substituta Flávia Ora de Mendonça condenou o ex-prefeito de Foz do Iguaçu Reni Pereira a 7 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e usurpação da ocupação pública, e 4 anos por fraude em licitação, dentro da Operação Pecúlio. As penas começarão a ser cumpridas em regime semiaberto. Também foi sentenciada uma multa de R$ 374 mil pelos primeiros dois crimes e mais R$ 695 mil pelo terceiro crime. A defesa do ex-prefeito disse que vai recorrer.

 

Esclarecimento

Em Lindoeste, o prefeito José Romualdo não tem tido vida fácil desde que reassumiu o cargo. Ontem ele divulgou vídeo e nota aberta para esclarecer que os atrasos nos pagamentos são decorrentes dos transtornos gerados com sua cassação e que estão em vias de serem resolvidos. E reclamou da decisão do presidente da Câmara de Vereadores, que apresentou recurso contra a decisão do TJ que anulou a sessão de cassação e devolveu o cargo a Romualdo.

 

Prisão em 2ª instância

A maioria dos ministros do STF votou para fixar que a condenação de réus na segunda instância interrompe a contagem do prazo de prescrição. Com 7 votos a 2, o julgamento foi suspenso por Dias Toffoli para esperar o retorno de Celso de Mello, de licença até março. Ou seja: decisões dos Tribunais de Justiça ou dos Tribunais Regionais Federais suspendem a contagem do tempo limite de tramitação do processo para que a Justiça aplique a pena, ruim para os condenados, que enchem as cortes de recursos protelatórios até que a prescrição ocorra.

 

Novela das urnas

Virou um verdadeiro melodrama a compra de urnas novas para as eleições deste ano. As duas empresas que disputam a licitação milionária do TSE apresentaram recursos nesta semana que levam a novo impasse na contratação. Técnicos da Corte já discutem um “plano B”, com um cenário de realizar a votação nas 5.570 cidades do País sem novos equipamentos, caso o processo naufrague. Uma das hipóteses é reduzir o número de seções eleitorais.

 

180 mil urnas

O impasse para a compra das 180 mil urnas se arrasta desde o segundo semestre do ano passado. Em setembro, a empresa Positivo e o consórcio Smartmatic/Diebold entregaram ao tribunal a documentação para concorrer ao contrato, previsto para chegar a R$ 696,5 milhões. Só que ambos foram desclassificados pelo TSE por não atenderem às exigências do edital. Ganharam chance para corrigir as falhas e agora digladiam entre si.

 

Salário menor

A vereadora Marli do Esporte iniciou o ano legislativo em Toledo com polêmica. Ela apresentou projeto para reduzir o salário dos vereadores, caso não consiga as sete assinaturas necessárias, já planeja ir às ruas para coletar 5 mil assinaturas e tornar o projeto de iniciativa popular.



Fale com a Redação

dois × 2 =