Um por mil

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná custou até agora R$ 12,4 milhões aos cofres públicos (R$ 5,4 milhões em diárias/passagens e R$ 7 milhões com substituições de procuradores). Em contrapartida, recuperou R$ 13 bilhões de recursos desviados (com expectativa de chegar a R$ 40 bilhões), proporcionalmente, a cada R$ 1 gasto, recuperou R$ 1.048.

Receita no Paraná

O deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) quer reverter decisão do governo federal que pode extinguir, dentro do processo de reestruturação da Receita Federal, a Superintendência da 9ª Região Fiscal, em Curitiba, responsável por toda atuação do órgão no Paraná e em Santa Catarina. Para isso, enviou ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um pedido para que seja revogada a extinção da superintendência.

Fiscalização

O argumento é de que a medida prejudicará toda a fiscalização em uma região que possui quatro dos mais importantes portos do País e o mais importante porto seco da América Latina, localizado em Foz do Iguaçu.

Interino

O vice-prefeito Ilario Hofstaetter, o Ila, assumiu interinamente a Prefeitura de Marechal Cândido Rondon. O titular, Marcio Rauber, tirou dez dias de férias.

Orçamento

A Prefeitura de Foz do Iguaçu realiza na terça-feira (20) a última edição do Orçamento Participativo de 2019, agora na zona nordeste da cidade. O encontro será no Centro de Convivência Leonel Brizola, em Três Lagoas, às 18h30. Toda a população está convidada a participar do encontro, que terá a presença do prefeito Chico Brasileiro, do vice Nilton Bobato e demais secretários.

Previdência

Em Toledo, o assunto da vez é o Fundo de Previdência dos Servidores Públicos. Uma comissão foi formada para analisar a questão previdenciária dos servidores. O grupo volta a se reunir dia 4 de setembro, quando pretende ter em mãos o mapeamento/histórico de todos os reescalonamentos realizados pelos prefeitos desde 2006.

Propinas de R$ 333 mi

O Estadão divulgou os 23 depoimentos que o ex-ministro Antonio Palocci deu à Polícia Federal que indicam rotina de arrecadações de grandes conglomerados em troca de medidas provisórias, contratos e projetos milionários nas gestões petistas (Lula e Dilma Rousseff). A conta: R$ 333 milhões.

Organização criminosa

A “organização criminosa” do PT, segundo classifica Palocci, foi sustentada por empresas, bancos e indústrias a políticos e partidos e aponta situações relativas a um período de pelo menos 12 anos (2002-2014). Os relatos passam por grandes obras de infraestrutura, contratos fictícios, doações por meio de caixa 2 a campanhas eleitorais, liberação de recursos do BNDES e de créditos do Banco do Brasil, criação de fundos de investimentos, fusões e elaboração de Medidas Provisórias para favorecer conglomerados.

Toma cá…

A Noruega suspendeu ontem o repasse de R$ 133 milhões para o Fundo Amazônia, que financia ações de preservação ambiental, em represália à política brasileira de combate ao desmatamento.

…Dá lá

Em resposta, o presidente Jair Bolsonaro ironizou: “Noruega? Não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a oferecer para nós”. No dia anterior, Bolsonaro já tinha sugerido à Alemanha usar o dinheiro vetado ao Brasil em reflorestamento local.

Estrada do Colono

Deputados e representantes de entidades discutem ontem e hoje a proposta de reabertura da Estrada do Colono por meio de uma estrada-parque, com previsão de fechar à noite. Ontem à noite, audiência pública foi realizada em Capanema. Hoje o encontro é em Medianeira, a partir das 19h.