Lula ia, já não vai mais…

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou aos noticiários ontem. Pela manhã, a bomba: o juiz Paulo Eduardo de Almeida, da Justiça de São Paulo, determinava que Lula fosse levado para a Penitenciária 2 de Tremembé (SP) após a Justiça Federal do Paraná ter autorizado a transferência. Horas depois, o STF suspendia a decisão e manteve o petista na sua sala especial na Polícia Federal em Curitiba, onde está desde abril do ano passado. Os advogados de Lula chegaram a pedir a liberdade de Lula, mas esse pedido não foi analisado pelo plenário do Supremo.

Preso caro

O pedido de transferência foi feito pela PF. Segundo a corporação, a saída de Lula da carceragem da superintendência é necessária para reduzir gastos e uso de efetivo a fim de garantir a segurança do local, “bem como devolvendo à região a tranquilidade e livre circulação para moradores e cidadãos que buscam serviços prestados pela Polícia Federal.” Conforme a PF, Lula já custou R$ 4,8 milhões.

Prati embora?

O governo do Ceará ofereceu um pacote de benefícios para que a Prati-Donaduzzi construa sua nova unidade fabril no Estado. Entre as vantagens apresentadas pelo governo cearense está isenções de impostos. O pedido para abrigar uma filial da indústria no Ceará foi feito pelo próprio governador, Camilo Santana, que esteve ontem na fábrica em Toledo.

“Atraente”

Para o diretor-presidente da Prati-Donaduzzi, Eder Fernando Maffissoni, o pacote de benefícios oferecidos pelo governador é “muito atraente”. “Precisamos em, caráter emergencial, construir uma nova unidade fabril”, revelou.

Decisão final                              

Os levantamentos de valores e a decisão da empresa em construir a nova planta em Toledo ou em outros endereços deverão ser anunciados nos próximos 30 dias. A indústria já recebeu outra proposta do governo de Pernambuco. “Mesmo se decidirmos permanecer em Toledo, não descartamos a possibilidade de abrir um Centro de Distribuição no Nordeste”, adianta Maffissoni.

Em Toledo

Por coincidência (ou não), o governador Ratinho Junior estará em Toledo nesta sexta-feira (9). A pauta oficial não foi divulgada ainda, mas às 14h ele deve estar na Câmara para assinatura de convênios com cerca de 20 municípios.

Malha aérea

O Paraná passa a ter a maior malha aeroviária do País com o início ontem do programa Voe Paraná. O novo pacote aéreo regional foi lançado pelo governador no Aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, e vai atender 12 cidades: Paranaguá, Arapongas, Apucarana, Guarapuava, Campo Mourão, Francisco Beltrão, Paranavaí, Cianorte, Telêmaco Borba, Cornélio Procópio, União da Vitória e Guaíra.

Gol presente

Depois de aterrissar dois boeings por dia em Cascavel, a Gol também abraçou essa demanda. É ela quem fará essas conexões em parceria com a empresa de táxi aéreo TwoFlex. Os voos regulares devem começar na segunda quinzena de outubro.

Foz-Nova York

O secretário Sandro Alex (Infraestrutura e Logística) adiantou que a nova pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu vai possibilitar a operação de um voo internacional ligando a cidade de Nova York. A previsão é de que, com a nova pista, que deverá ficar pronta em um ano e meio, o aeroporto receba três vezes mais passageiros estrangeiros do que atualmente.

HU no sufoco

O HU de Cascavel começou ontem a depositar efetivamente o dinheiro aos médicos terceirizados. Segundo a direção, HU tem corpo clínico de 187 médicos, sendo 49 docentes da Unioeste, oito concursados e 130 contratados como terceirizados. Esses contratos vencem dia 26 de agosto e, até o fechamento desta edição, ninguém sabia ainda a solução para que o cancelamento dos contratos não ocorra.