Prisão preventiva

Atendendo pedido do Ministério Público, o juiz Clairton Mario Spinassi, da Vara Criminal de Marechal Cândido Rondon, decretou ontem (6) a prisão preventiva do vereador Adelar Neumann (DEM), preso em flagrante segunda-feira (4) pelo Gaeco. Por conta disso, Adelar deverá permanecer preso enquanto ocorre a investigação. Adelar é acusado de receber “mensalinho” de um servidor comissionado da prefeitura que teria sido indicado ao cargo pelo vereador e, em troca, devolvia R$ 2 mil por mês. A defesa do vereador pode recorrer ao TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná).

CPI e cassação

Se a vida na prisão não é fácil, do lado de fora também está difícil. A Câmara de Marechal Rondon já recebeu o primeiro pedido de cassação do mandato de Adelar. O pedido foi protocolado na manhã de ontem (6) por um cidadão rondonense. A alegação é quebra de decoro parlamentar. Colega de partido, o vereador Vanderlei Sauer (DEM) também protocolou pedido para a instalação de uma Comissão Processante para apurar os fatos e então avaliar se Neumann deve ou não permanecer nos quadros do Legislativo Municipal.

De casa nova

O jornalista Ivan Zuchi já assina como assessor do deputado federal Evandro Roman (PSD). Desde que deixou o Governo Paranhos, Zuchi vinha assessorando o ex-deputado estadual Adelino Ribeiro, que não conseguiu a reeleição. Por enquanto, o jornalista ocupa o escritório de Roman que fica pertinho do Clube Comercial e, não por acaso, do Paço Municipal.

MDB & DEM

Quem disse que na política até cavalo voa sabia das coisas. Na briga por espaço, poder político e cargos na “nova” Assembleia Legislativa do Paraná, vale tudo. Até mesmo alianças inusitadas. O MDB “velho de guerra” formou bloco com o Democratas, que, conta a história, é oriundo do PFL (Partido da Frente Liberal), nascido de uma dissidência do PDS, que por sua vez foi a sigla herdeira da Arena, aquela que dava sustentação ao governo militar.

Água mais cara

O novo presidente da Sanepar, Cláudio Stabile, fez uma proposta no mínimo indecente. Ele sugeriu que o reajuste de 25,63% na conta da água autorizado em 2017 pela Agepar deveria ser aplicado já, o que seria “bom para o paranaense”. É que esse índice deve ser escalonado na fatura até 2025, justamente para não pesar no bolso do cidadão comum.

Sem cabimento

A grita foi geral. O presidente do MDB do Paraná, João Arruda, foi o primeiro a dizer que “isso não tem cabimento”. Em sua conta no Twitter, escreveu: “É inexplicável. Como é que é? Então antecipar o aumento da conta de água e esgoto é bom para o povo do Paraná?”.

Lista negra

A pedido do Governo Bolsonaro, o colégio de líderes da Câmara dos Deputados agendou para a semana que vem a votação do primeiro projeto de lei de interesse da nova gestão: o que trata sobre o congelamento de bens de pessoas e organizações consideradas terroristas pela ONU (Organização das Nações Unidas). O ministro da Justiça, Sergio Moro, considera urgente a aprovação do projeto, pois o Brasil poderá entrar em uma “lista negra” de países que não combatem o terrorismo e a lavagem de dinheiro – tais como Líbia, Irã, Sudão, Coreia do Norte e Cuba. As informações são da Gazeta do Povo.

Boletim médico

O presidente Jair Bolsonaro voltou a caminhar no corredor do Hospital Albert Einstein, nessa quarta-feira (6), após dois dias de caminhada suspensa. Ele permanece internado na unidade semi-intensiva do hospital. O quadro clínico é estável, sem dor nem febre, com melhora dos exames laboratoriais e de imagem, segundo boletim médico. Continua com sonda nasogástrica, dreno no abdômen para retirada de líquido e antibióticos por via endovenosa. Bolsonaro não deve sair do hospital nos próximos sete dias.