Curitiba – O estudo mensal do Sistema Fiep que avalia o desempenho da indústria de transformação do Paraná revela otimismo para o fechamento do ano. Os dados revelam que no acumulado de janeiro a setembro houve crescimento 4,72% em relação a igual período do ano passado. Comparando setembro de 2018 com o mesmo mês de 2017, o nível se manteve. Em relação a agosto, houve queda de 9,4%, movimento sazonal normal, porém, com redução mais acentuada do que a registrada em 2017, que foi de 4,5%, e de 2016, 4,9%.

O recuo desse mês pode ser explicado pela performance negativa em 15 dos 18 gêneros pesquisados. Refino de petróleo e produção de álcool tiveram queda de 28%; as vendas de veículos automotores caíram 14%, resultado normal após o expressivo crescimento em agosto, e alimentos e bebidas caíram 5%, em função dos feriados do mês.

Os gêneros que tiveram alta em setembro foram o têxtil (+62,87%); vestuário (+8,82%) e couros e calçados (+4,67%). No acumulado do ano, os produtos que mais cresceram em vendas foram couros (107%); veículos automotivos (10%); máquinas e equipamentos (9%); e confecções e vestuário (7%). As maiores quedas foram observadas em borracha e plástico (-21%); produtos da madeira (-16%); materiais elétricos e de comunicação (-9%); e produtos químicos (-5%).

Acompanhando o desempenho das vendas, a compra de insumos caiu 8% em setembro. Mas, de janeiro a setembro, acumula alta de 9% em relação ao mesmo período de 2017.

Na avaliação do terceiro trimestre, os números são positivos, 4,3% de crescimento. Porém, com elevação menor que a registrada no mesmo período de 2017, que foi de 6,8%. A produção industrial do trimestre no Paraná foi melhor que a nacional, com tímida alta de 1,2% este ano e de 3% no terceiro trimestre do ano passado.