SAÚDE

Huop conforma novos leitos, mas terá que segurar cirurgias eletivas

04 de junho de 2022 às 08:00
Publicidade

 

 

Cascavel – O pedido de “ajuda” do Huop (Hospital Universitário do Oeste do Paraná) a Sesa (Secretaria Estadual de Saúde) devido a superlotação do hospital enfrentada nas últimas semanas, acabou surtindo efeito. Nos próximos dias mais 26 leitos serão abertos sendo 11 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 15 de enfermaria. Para isso, uma reorganização interna será realizada dentro do hospital, além da suspensão temporária das cirurgias eletivas.

Na edição de sexta-feira (3), o O Paraná já havia levantado o problema e o pedido de ajuda do Huop junto a Sesa. Muitos pacientes que estão internados em uma das Upas (Unidades de Pronto Atendimento) da cidade aguardam transferência para um leito hospitalar. Na quinta-feira existem 77 pacientes clicados no sistema e, além disso, 82 pacientes estavam “internados” nos corredores do Huop. Na sexta-feira, o número reduziu para 72 pacientes nos corredores. O hospital conta com 257 leitos no total e todos eles estão ocupados.

De acordo com o Huop, os 11 leitos de UTI e 15 de enfermaria estarão à disposição para atendimento a partir do dia 10 de junho, no fim da próxima semana. Depois disso serão abertos outros 32 leitos, 23 de enfermaria e 9 de UTI, medida que vai demorar um pouco mais e será concretizada após a aquisição de novas camas hospitalares e a contratação de novos funcionários, conforme decisão acordada na reunião realizada na quinta-feira (2) com a Sesa.

O diretor geral do Huop, Rafael Muniz de Oliveira, disse que esse é o primeiro passo para começar a resolver o problema de superlotação do hospital e das Upas, além do problema da falta de leitos da macrorregião Oeste, que tem uma população de 2 milhões de habitantes. “Estivemos reunidos com um grupo de pessoas para discutir o melhor caminho para melhorar o atendimento e queremos agradecer a confiança que a Sesa tem no nosso hospital”, disse Rafael.

Segundo o diretor, a Sesa vai ajudar no custeio dos leitos e na aquisição de camas hospitalares que, acreditava, deve amenizar o problema. “Passamos um período difícil com a pandemia e agora estamos enfrentando outras situação complicada, mas temos certeza que vamos conseguir resolver da melhor forma possível”, disse. Ele ressaltou ainda que antes da pandemia o Huop possuía 19 leitos de UTI adulto, e com a abertura de novos leitos de UTI para atendimento da Covid-19, possibilitou a ampliação para 29 leitos de UTI adulto, além de mais 20 leitos de enfermaria.

Mesmo assim, em razão da demanda de atendimento, está com a capacidade lotada frequentemente. A abertura de leitos é necessária, mas o Huop que também tem limitações com relação ao espaço físico terá que realizar uma readequação interna. “Será um esforço de toda a equipe para essa readequação e a instalação destes leitos adaptados. Acreditamos ser a melhor forma nesse momento para conseguirmos atender a demanda de toda a região da melhor maneira”, avalia Rafael.

A contratação de novos profissionais será realizada através de PSS (Processo Seletivo Simplificado), que será divulgado ainda esse mês. A aquisição das camas e a readequação interna também deve ser realizada em breve. Sobre os outros leitos, ele disse que não há prazo para a abertura, mas que devido à necessidade, farão “esforço para que estes leitos estejam disponíveis o mais rápido possível.

 

Compra de área

Edson de Souza, vereador e presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Cascavel, que está acompanhando o problema da superlotação e da abertura de leitos, disse que na próxima semana ele estará em curso em Curitiba e que também estará buscando outras melhorias junto à Sesa. O vereador estará solicitando “formalmente” a compra dos terrenos que ficam ao lado do Huop para uma futura ampliação da estrutura física, um dos encaminhamentos feitos na reunião desta semana, entre os vereadores e a direção do hospital.

 

Cirurgias eletivas

Sobre a suspensão das cirurgias eletivas, o vereador que já foi diretor do Huop, explicou que para que as eletivas aconteçam é necessário que os leitos fiquem reservado para as especialidades, mas que com muitos pacientes aguardando atendimento de urgência, essa foi a maneira encontrada para aumentar a quantidade de leitos de forma imediata. “Não tem muito espaço dentro do hospital, temos que remanejar os atendimentos, priorizar o que é mais urgente”, explicou Edson.

 

 

AEN

 

 

 

Sesa confirma novos leitos nas macrorregiões

 

A Sesa confirmou a abertura de mais 107 leitos em todo o estado, sendo 64 de UTI (Unidades de Terapia Intensiva) e 43 de enfermaria nas Macrorregiões Norte, Leste e Oeste. As unidades devem entrar na Central de Regulação de Leitos e iniciarem o atendimento na próxima semana. A abertura dos leitos foi formalizada após o aumento na demanda em todo o Estado, ocasionados pela sazonalidade de doenças respiratórias, que se agravam em estações mais frias, além do atendimento de rotina dos traumas na área de urgência e emergência.

Dados da Regulação de Leitos mostram que o Paraná possui 2.027 leitos de UTI geral, sendo 1.841 UTI adulto e 186 pediátricas. As ocupações destas unidades fecharam em 93% e 73%, respectivamente. Já com relação a leitos clínicos, o Estado soma 6.455 enfermarias adulto e 1.978 pediátricas, com ocupações de 49% e 38%.

De acordo com secretário de Estado da Saúde, César Neves, a Sesa monitora diariamente a ocupação de leitos e após verificar um aumento da demanda nas últimas semanas, iniciou um plano de ação para abertura de mais leitos em todo o Estado, e estes são os primeiros dessa nova etapa de abertura. Neves disse ainda que eles já estão em contato com outros prestadores para conseguir abrir mais leitos num segundo momento, já que existe um aumento na procura das Upas de todo o estado.

 

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE