Governo vai usar Correios para acelerar os cadastros do auxílio emergencial

Para o ministro, a demora no atendimento nas agências já está sendo resolvida e as “filas estão em pontos residuais” do País

Brasília – Após um mês de críticas, reclamações e muitas filas em frente às agências da Caixa, ontem o governo federal informou que quer fechar um acordo para que agências dos Correios façam o cadastro de pessoas que queiram receber o auxílio emergencial durante a pandemia do novo coronavírus.

Quando usar máscara de pano

O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) participou de debate com congressistas nessa quinta-feira (7) e foi questionado sobre as longas filas de espera nas agências da Caixa, que libera o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEIs) e desempregados.

Para o ministro, a demora no atendimento nas agências já está sendo resolvida e as “filas estão em pontos residuais” do País. Deputados e senadores, porém, insistiram na necessidade de medidas para reduzir a espera e sanar os problemas.

Lorenzoni, então, informou que está trabalhando num acordo com os Correios para que a estatal atue no processo de registro das pessoas e verificação de dados, o que aceleraria o atendimento e liberação do auxílio emergencial. “Exatamente para facilitar e ajudar as pessoas a fazerem o cadastramento, revisar os dados que não estão corretos”, disse o ministro sobre os serviços que poderão ser feitos nas agências dos Correios.

À tarde, Onyx Lorenzoni afirmou que o martelo sobre o uso das agências dos Correios será batido em reunião nesta sexta-feira (8), já que a decisão precisa ser colegiada. Pela previsão do ministro, será possível ir às agências já na semana que vem.

“O que vai acontecer na próxima semana é que as pessoas que precisam de auxílio para fazer ou refazer seu cadastramento e tiverem alguma dificuldade vão ter um novo canal. Lá não é o lugar para receber o dinheiro”, disse Lorenzoni.

 

Pagamentos

Balanço divulgado pelo governo na semana passada mostrou que houve mais de 97 milhões de cadastros. Desse total, mais de 50 milhões foram aprovados e considerados aptos a receber o dinheiro.

Cerca de 33 milhões de pessoas foram descartadas por não preencherem os requisitos. Além disso, há 13,7 milhões de cadastros considerados inconclusivos, ou seja, há necessidade de envio de mais documentos e informações.

Segundo a Caixa, foram liberados R$ 35,5 bilhões para o pagamento do benefício a 50 milhões de pessoas. No entanto, nem todos já receberam a ajuda financeira prometida pelo governo por causa da crise econômica causada pela covid-19.

Questionado sobre a possibilidade de prorrogação do programa para mais de três meses, o ministro afirmou que o assunto ainda está em avaliação pela equipe do presidente Jair Bolsonaro.

 

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

vinte − 9 =