Governo vai acabar com multa extra de 10% do FGTS pagas em demissões

A expectativa é de que a MP seja publicada nas próximas semanas.

Brasília – O governo vai editar uma medida provisória para acabar com a multa adicional de 10% do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), paga pelas empresas ao fundo nas demissões sem justa causa. A informação foi confirmada pelo secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, em entrevista ao portal G1. A expectativa é de que a MP seja publicada nas próximas semanas.

Essa multa foi criada em 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, para recompor as perdas dos planos econômicos. Na época, estimava-se que o FGTS tinha um rombo de R$ 42 bilhões, fruto dos planos Verão, de 1989, e Collor II, de 1991. Foi então apresentada e aprovada a Lei Complementar n. 110 de 29 de junho de 2001.

A lei determinou que todas as empresas que demitam sem justa causa devem recolher 10% adicionais para o FGTS. Ou seja, além de pagar para o trabalhador a multa de 40% sobre o saldo do FGTS em caso de demissão sem justa causa, uma obrigação prevista na Constituição, as empresas passaram a ter de recolher mais 10%.

Esses 10% vão para o patrimônio do Fundo de Garantia.

Energia deve cair de 30% a 40%

O ministro da Economia, Paulo Guedes, projetou um “choque da energia barata” no Brasil, que deverá ser sentida em breve. “Imagino em que um ano e meio os preços das termelétricas vão cair cerca de 30% a 40%”, afirmou, citando a importação de gás da Bolívia e da Argentina, além da produção oriunda do pré-sal.

Ele também defendeu a quebra do monopólio estatal na distribuição do gás, aumentando a competição no setor.

 

 



Fale com a Redação

2 − 2 =