Foi realizada ontem (30), na Câmara de Cascavel, uma reunião com empresários do setor de revenda de gás na cidade, a pedido dos vereadores Policial Madril (PMB), Sidnei Mazutti (PSL) e Celso Dal Molin (PR). O encontro contou ainda com a presença de representantes das Procuradorias Jurídicas da Prefeitura e da Câmara, da Cettrans, do Corpo de Bombeiros e do setor de Alvará da Secretaria de Finanças.

A principal reivindicação dos empresários é de que haja uma efetiva fiscalização por parte dos órgãos competentes em todas as revendas, identificando quem faz armazenamento inadequado, transporte irregular ou compra produtos clandestinamente. “A concorrência é desleal, pois quem não cumpre a lei consegue praticar um preço muito mais baixo”, adverte Celso Dal Molin.

Em Cascavel, há mais de 140 revendas de gás. No Paraná, existem hoje aproximadamente 4.700 revendedores de gás, que vendem mensalmente mais de 2,2 milhões botijões de 13kg, conhecido como gás de cozinha.

Da reunião ficou definido que a Cettrans, o Corpo de Bombeiros e a Secretaria de Finanças vão realizar uma força-tarefa nos próximos três meses para vistoriar os locais de revenda e checar se os estabelecimentos estão em conformidade com todas as exigências da ANP (Agência Nacional de Petróleo). Após essa fiscalização, uma nova reunião será organizada com todos os empresários e as autoridades para análise dos resultados obtidos.

De acordo com os empresários, especialmente em função da concorrência com os estabelecimentos que vendem vale-gás e pelo alto custo para regularizar o negócio e obter todas as licenças exigidas, muitas empresas estão fechando as portas. Enquanto isso, os clandestinos vão ganhando espaço, oferecendo risco a todos.

O Corpo de Bombeiros e a Cettrans esclareceram que as taxas e as autorizações são necessárias porque a atividade está enquadrada como de alto risco e potencial poluidor.