Fornecimento de água: Situação está preocupante em 5 municípios, alerta Sanepar

Rios, mananciais e reservatórios já registram queda de 50% na vazão

Reportagem: Juliet Manfrin

Lindoeste – Desde maio as chuvas não são regulares na região oeste do Paraná e, segundo levantamento do Simepar, o déficit de precipitação nos últimos quatro meses já ultrapassa os 500 milímetros.

Essa condição se consolida com os dados colhidos pela estação meteorológica da Coopavel, em Cascavel, que registrou apenas duas chuvas mais significativas ainda em maio. Desde então, o que se vê são dias de secura extrema e umidade do ar muito baixa.

Para se ter ideia, em junho choveu apenas 14 milímetros, em julho foram 54mm, em agosto 10mm e em setembro, até o momento, 15mm.

A preocupação vai além porque não há previsão de chuva nem pancadas isoladas para os próximos 15 dias e, de acordo com os principais modelos meteorológicos, isso só deve mudar a partir de outubro.

Segundo a Sanepar, os rios e os reservatórios já baixaram 50% e a situação neste momento é considerada preocupante.

Não se fala em risco imediato de racionamento, mas a cada dia que passa sem chuva a condição fica ainda mais complicada.

Segundo a Sanepar, a situação é considerada mais preocupante em pelo menos cinco municípios da região que, juntos, concentram cerca de 400 mil pessoas. A lista é encabeçada por Cascavel, seguida por Santa Tereza do Oeste, Lindoeste, Santa Lúcia e Catanduvas, especialmente na região do Distrito de Ibiracema.

Racionamento?

A Sanepar reforça que não tem como dar prazos para risco efetivo de racionamento, tendo em vista que isso depende de alguns fatores, o principal deles se refere ao uso consciente da água, focado para condições básicas de higiene pessoal e alimentação, evitando desperdício. “A Sanepar está adotando as medidas necessárias para casos dessa natureza. Porém, a recuperação da vazão é somente com a regularidade das chuvas, depende muito do comportamento dos mananciais e do consumo da água por parte a população. Se houver a colaboração das pessoas com o uso racional da água, prolonga-se o tempo sem risco de faltar”, sugere a companhia.

Plantio emperrado

A escassez de umidade no solo faz os produtores reviverem uma situação registrada em 2017. O tempo seco em setembro daquele ano, exatamente como ocorre agora, atrasou o plantio de milho, feijão e soja, provocando graves consequências na colheita.

O temor no campo é de que as condições se repitam com atrasos que podem se refletir na segunda safra, no início de 2020. Mas o registro é de que em partes essas condições já estão acontecendo.

Segundo o técnico do Deral (Departamento de Economia Rural) da Seab de Cascavel José Pértille, apenas 5% das áreas destinadas ao feijão foram cultivadas até o momento. “Em condições normais praticamente tudo estaria semeado, mas o tempo muito seco não ajuda”, destacou.

Quase o mesmo vale para o milho. Cerca de 10% das áreas foram cultivadas. Se estivessem boas as condições de umidade, ao menos metade já teria sido semeada. Muitos dos que arriscam cultivar mesmo assim, plantam no chamado pó, na esperança que chova nos próximos dias.

Quando o assunto é a soja, a situação também é de alerta. O vazio sanitário chega ao fim nesta terça-feira (10) e, comumente, os produtores já teriam semeado a maioria da área, aproveitando ao máximo o calendário. “Por enquanto não temos nada plantado com soja. São poucos os produtores que estão se aventurando com esse tempo tão seco”, observa Pértille.

Calorão e baixa umidade

Com o tempo seco e o calor extremo, bem acima dos 30ºC, o que vem junto é a baixa umidade relativa do ar. Ontem ela estava na casa dos 30%, quando o mínimo indicado para a saúde é de 60%.

Amanhã o aumento de nebulosidade pode fazer com que o índice se eleve. Ocorre que até o fim de semana a promessa é de a umidade despencar para 20%, condição de alerta à saúde.

A 13 dias do fim do inverno, o calor surpreende. Ontem chegou a 38,7ºC em Palotina, com umidade do ar de 30%. Já em Foz do Iguaçu fez 36ºC e a umidade do ar de apenas 25%. Em Marechal Cândido Rondon também fez 37ºC e a umidade do ar não passou de 30%.

 

 



Fale com a Redação

5 + 3 =