Cascavel – As exportações do oeste mantêm o ritmo de crescimento em 2021 e superam o acumulado de janeiro a julho de 2020 em 6,6%. Em julho, as vendas para fora do País somaram US$ 194,297 milhões, alta de 19,7% sobre o mesmo mês do ano passado, que vinha abalado devido à pandemia do novo coronavírus. Nos sete meses, o oeste já faturou US$ 1,162 bilhão, contra US$ 1,090 bilhão no mesmo período do ano passado.

No mês passado, o destaque ficou com Cascavel, que, junto de Palotina, responderam por 54,8% do total exportado no período na região. É o maior valor de Cascavel e o segundo maior de Palotina para o mês.

Já no total, julho de 2021 é o terceiro melhor da história, atrás de 2019 (US$ 268,5 milhões) e 2018 (US$ 222,2 milhões).

Apesar da alta, Marechal Cândido Rondon, Cafelândia, Matelândia e Toledo continuam com faturamento menor que o do ano passado.

O complexo carne somou US$ 826 milhões, praticamente o mesmo valor do ano passado, assim como o complexo soja que, com aumento das exportações nos últimos dois meses, somam US$ 127,8 milhões, 1,8% a mais que no mesmo período de 2020.

Já as vendas de milho estão praticamente paradas, devido ao aumento de consumo interno e à quebra da safra. Neste ano, foram exportados US$ 73 mil, contra US$ 31,7 milhões em 2019.

Importações em alta

Como as importações seguem em alta, com o maior valor da história, o saldo da balança comercial caiu significativamente. Se em 2019 o superávit chegou a US$ 1,151 bilhão no período e US$ 695,8 milhões em 2020, agora, está em US$ 532,5 milhões. Isso porque as importações seguem recordes, num total de US$ 629,7 milhões, 59,6% a mais que há um ano.

Do oeste, o maior importador é Cascavel, que trouxe US$ 205 milhões de fora, quase o dobro do ano passado (US$ 119 milhões); em segundo lugar está Toledo, que importou US$ 116,6 milhões, quase três vezes mais que em 2020: (US$ 68,7 milhões). Foz do Iguaçu vem na sequência, com US$ 85 milhões, alta de 5,6%, e Céu Azul, com US$ 58,1 milhões, 56,3% de crescimento em um ano.

A alta é devido à importação de soja e milho, que, embora sejam produzidos na região, praticamente sumiram do mercado devido à demanda internacional aquecida e à quebra na safra. Só de soja, a região já importou US$ 120,2 milhões neste ano, 92% a mais que ano passado (US$ 62,6 milhões); e, de milho, a conta é ainda maior: 343% de aumento, passando de US$ 16,6 milhões em 2020 para US$ 73,7 milhões agora.

Para fechar os três principais itens da pauta de importação está “Díodos, transístores e dispositivos semelhantes com semicondutores; dispositivos fotossensíveis semicondutores, incluídas as células fotovoltaicas, mesmo montadas em módulos ou em painéis; díodos emissores de luz; cristais piezoelétricos montados”, usados para painéis de energia solar. Esse item soma US$ 59,8 milhões, aumento de 257% sobre o ano passado (US$ 16,7 milhões).

 

 

China compra 31% a menos em 2 anos

Embora siga como o principal parceiro comercial do oeste, a China tem reduzido significativamente suas compras. Se em 2019, exatamente um terço de tudo o que saía daqui para fora do País tinha como destino o gigante asiático, hoje, essa proporção caiu para 30,3%.

De janeiro a julho deste ano, foram faturados para a China US$ 352,8 milhões, mas essa conta já chegou a US$ 510,2 milhões há dois anos.

Em contrapartida, o Paraguai expande sua participação e já responde por 14,5% das exportações da região (era menos de 8% há dois anos). Neste ano, os hermanos compraram US$ 168,8 milhões, 38,2% a mais que em 2019, e 46,8% sobre o ano passado.

A lista dos principais parceiros comerciais da região traz tem sofrido atualizações constantes. Agora, aparecem com destaque países como Filipinas e México, com crescimento de 300% e 600% em um ano, respectivamente, enquanto outros despencaram de posição. Casos de Espanha, que chegou a figurar em sexto maior comprador, com US$ 53,5 milhões em 2019, e que neste ano sua conta não chega a US$ 5 milhões (19º na lista); e Arábia Saudita, que passou de US$ 36,4 milhões há dois anos para US$ 4,3 milhões agora, ficando em 32º em faturamento.