256376008_1-4.jpg

LONDRES – O quadro executivo do grupo indiano Tata Steel se reuniu nesta sexta-feira para discutir a venda de suas operações siderúrgicas no Reino Unido, informaram duas fontes próximas ao assunto ao jornal ?The Wall Street Journal?. Nos últimos meses, os diretores se encontraram com o secretário de negócios do país, Sajid Javid, que foi a Mumbai para tratar do tema. Na quinta-feira, fontes disseram que a empresa suspendeu temporariamente o processo devido ao recuo de interessados após o Brexit.

brexit_0807A saída do bloco econômico faz com que o Reino Unido precise redesenhar suas relações comerciais, regras de imigração e outras políticas com a União Europeia. A decisão ? definida no referendo de 23 de junho ? complica o processo de venda de ativos da Tata Steel, já que possíveis compradores disseram à Tata Steel que esse resultado aumenta a incerteza sobre a viabilidade das operações da companhia no país.

A empresa anunciou em abril que tem intenção de se desfazer dos negócios no Reino Unido, citando problemas graves de financiamento, altos custos de produção e abundância global de aço. No país, a companhia siderúrgica emprega 11 mil pessoas. Na maior fábrica, em Port Talbot, são 4 mil funcionários, de acordo com o ?WSJ?.

O governo britânico se propôs a oferecer empréstimos e disse estar disposto a adquirir uma fatia de até 25% no negócio como forma de garantir um comprador à companhia e garantir empregos, de acordo com o jornal americano.

JOINT VENTURE EUROPEIA

Em meio à revisão de planos no Reino Unido, a Tata Steel iniciou negociações com companhias europeia do setor, incluindo a Thyssenkrupp AG, sobre firmar uma possível joint venture no continente. Segundo comunicado da companhia, são conversas preliminares e a avaliação dos ativos considera o valor comercial e as ?perspectivas de sustentabilidade futura do negócio britânico para uma série de interessados?, assim como as incertezas causadas pelo referendo.

?Levando as quedas acima em conta, o quadro da Tata decidiu que também olhar para alternativas e soluções mais sustentáveis para o portfólio para negócios europeus?, disse a Tata Steel.