É praticamente uma cidade dentro de outra cidade. Assim pode ser definida a região norte de Cascavel, que possui uma população de aproximadamente 70 mil pessoas. Se fosse um município, ocuparia a 29ª posição entre os 399 que compõem o Paraná. A região, que compreende os bairros localizados do lado norte da BR-467, entre os Trevos Cataratas e da Ceasa, continua em expansão acelerada e exige planejamento para os próximos anos, principalmente para evitar um caos no sistema de trânsito.

Para dar mais fluidez aos quase 40 mil veículos que trafegam naquela região, a Prefeitura de Cascavel encomendou um estudo de mobilidade de trânsito para integrar o norte com o Centro. “Nós não temos um prazo maior do que três ou quatro anos para explodir aquela região de problemas porque ela cresceu demais, aumentou demais a frota”, afirma o prefeito Leonaldo Paranhos.

A região recebeu investimentos nos últimos anos, mas mesmo assim os problemas persistem. “Não tem uma sequência de ruas e quando tem a caixa da rua é estreita e o pavimento é complicado. Por mais que houve – ainda bem – investimento na região norte, nós teremos problemas”, alerta Paranhos.

Viadutos

A duplicação da BR-467 entre Cascavel e Toledo, que aconteceu em 2006, incluiu no perímetro urbano seis viadutos para passagens de veículos, além de passarelas para pedestres ao lado de cada um dos elevados. “Se não tivesse isso, imagine o que seria. Esses carros todos passando por cima da BR-467, ainda bem que tem isso [os viadutos]”, destaca o prefeito Leonaldo Paranhos.

O tráfego afunila nos seis elevados que apresentam um grande fluxo de veículos que cruzam, entram e saem da rodovia, especialmente nos horários de pico.

Trânsito muito louco

A comerciante Cléo Santos tem um estabelecimento na Rua Europa, esquina coma Ipanema, no Bairro Periolo. No local foi colocado um semáforo, mas mesmo assim o grande tráfego de veículos complica a vida tanto de motoristas quanto de pedestres. “O trânsito é uma loucura. É um problema para as pessoas que têm dificuldade de atravessar de um lado para o outro”, relata.

Cléo diz que, apesar de seu estabelecimento ser novo no local, já presenciou vários acidentes. “Aumenta o número de carros em circulação, os problemas também aumentam”, declara a comerciante.

A instalação do semáforo trouxe mais segurança, mas nos horários de pico o congestionamento é grande. Além disso, há muitos motoristas apressados que insistem em desrespeitar as regras de trânsito.

A reportagem do Hoje News flagrou um motociclista que não se intimidou com o semáforo fechado. Ele parou a moto, olhou para os dois lados e acelerou. Detalhe: o sinal estava em vermelho. “Alguns motoristas são apressados”, sintetiza Cléo.

Horário de pico

O aposentado Silvestre Andreguetti diz que o problema se acentua das 7h às 9h e das 17h30 às 20h. E no período noturno é grande também a concentração de veículos estacionados, já que na esquina existe uma pizzaria bastante popular na região.

Andreguetti sugere mudanças no trânsito, principalmente que sejam proibidas conversões à esquerda no cruzamento das Ruas Europa com Ipanema. “Só deu pancadaria [batidas de trânsito] no cruzamento ao tentar virar”, conta.

Ele disse ter presenciado mais de dez colisões naquele mesmo local.

A unidade do Corpo de Bombeiros Tenente Edy, que atende os casos da região norte, foi acionada para atender 450 acidentes de trânsito neste ano. Boa parte desses acidentes aconteceu nas ruas de bairros da região norte.

Mudanças

A Rua Ipanema, no Bairro Periolo, está sendo reurbanizada e ampliada desde o mês passado. Os investimentos no local são de R$ 3,2 milhões e a obra, que integra o PDI (Plano de Desenvolvimento Integrado), tem 180 dias para ser concluída.

A via é uma importante ligação com a região norte da cidade. Ela terá 2,1 quilômetros de extensão, com 11 metros de largura, começando na Avenida Rocha Pombo (viaduto da BR-467) e seguirá até a Avenida das Pombas, nas proximidades do Residencial Riviera, com mão dupla e transporte coletivo urbano.

Mais semáforos

O comerciante Sergio Cardoso mora na Avenida Papagaios, no Bairro Floresta, e diz que uma revitalização na via pública, que está nos planos da prefeitura, ajudaria a tornar o espaço mais seguro, mas o problema maior, segundo ele, está no viaduto da Jacarezinho, onde há uma grande movimentação de veículos nos horários de pico.

O comerciante defende que sejam instalados semáforos no local, como os que foram colocados no viaduto da Avenida Rocha Pombo. A mesma opinião tem o também comerciante Jonatan Rocha: “Os problemas são as vias de acesso”.