Escola Segura.  Baixa procura faz número de colégios cair pela metade

Os profissionais devem iniciar os trabalhos nos colégios no dia 10 de maio

Curitiba – A procura ainda baixa de policiais militares da reserva pelo Programa Escola Segura fez com que o número de colégios do projeto-piloto seja reduzido de 100 para 50.

Quando usar máscara de pano

Com 200 vagas abertas, o programa recebeu cerca de 220 inscrições e, como já previsto pela Amai (Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos, Inativos e Pensionistas), o número de policiais considerados aptos a exercer a função de garantir a segurança em escolas ficou em apenas 100 policiais. No primeiro edital apenas três se inscreveram e um deles foi considerado apto, por isso um novo edital foi lançado com a inclusão de cargos e aumento da remuneração.

Encerradas as inscrições, o número de escolas atendidas também foi reduzido. Para a cidade de Londrina foram convocados 34 policiais militares, que vão atuar em 17 colégios. Em Foz do Iguaçu, a convocação foi para 16 militares que farão a segurança de oito colégios, e para a Região Metropolitana de Curitiba, são 50 profissionais, para 25 colégios.

De acordo com o governo, uma nova chamada deve ser aberta em breve na tentativa de com concluir a contratação dos 200 policiais previstos e a instalação do programa nas 100 escolas definidas no início do projeto. Mas ninguém sabe quando isso deve acontecer.

A remuneração dos integrantes é R$ 3 mil para soldado, R$ 3,3 mil para cabo, R$ 3.564 para 3º sargento e R$ 3.813 para 2º sargento.

Início dos trabalhos

De acordo com a Polícia Militar, os profissionais devem iniciar os trabalhos nos colégios no dia 10 de maio.

Mas, antes disso, eles passam por um treinamento que têm 20 horas de duração e que começou ontem (2). Os policiais vão participar de treinamentos técnicos de conhecimentos gerais sobre policiamento escolar, abordagem policial e capacitação de tiro. “Eles estão vendo quais serão as atribuições dentro e no entorno das escolas, o histórico do Batalhão da Patrulha Escolar Comunitária, os limites entre indisciplinas e atos infracionais e as atribuições específicas da Patrulha e dos militares do programa”, explicou o capitão David Paris do Amaral.

Além da presença do policial, o programa também prevê o suporte de unidades móveis da Polícia Militar e a integração com o serviço de inteligência da área de segurança.

Colégios de Foz do Iguaçu

Em Foz do Iguaçu, os oito colégios que vão receber o programa são: Colégio Estadual Ipê Roxo; Colégio Estadual Arnaldo Busatto; Colégio Estadual Ayrton Senna da Silva; Colégio Estadual Paulo Freire; Colégio Estadual Carmelitas Dias; Colégio Estadual Flavio Warken; Colégio Estadual Santa Rita e o Colégio Estadual Ulysses Guimarães.

O Programa

O Programa Escola Segura tem como objetivo reforçar a atuação preventiva da Polícia Militar nos colégios para inibir crimes e delitos e ajudar em ações que previnam tráfico e uso de drogas, violência, bullyng e dano ao patrimônio público.

A funcionalidade do programa e a capacidade dos PMs já afastados do trabalho para exercer a função foram questionadas tanto pela Amai quanto por diretores e funcionários de colégios, especialmente porque o ambiente pode gerar maior estresse ao profissional e a aceitação por meio da comunidade escolar pode não ser a esperada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

8 − 3 =